Negr@s

RACISMO

"Vai bater tambor?", empresa Vivo discrimina trabalhadora umbandista e a demite

quarta-feira 5 de julho| Edição do dia

A ex-funcionária adepta da umbanda, religião de matriz africana, trabalhava na telefonia de celular Vivo. Ela diz que foi demitida após entrar em depressão e processou a empresa após gravar áudios com as provas da discriminação. Esse é um dos 36 casos de intolerância religiosa registrados pelo Ministério Público da Bahia, desde janeiro desse ano.

Por um ano e meio ela foi discriminada no trabalho, que começaram depois que sua chefe assumiu o cargo e duraram até sua demissão. A funcionária conta, que quando pedia para usar o banco de horas para sair mais cedo, sua chefe perguntava se ela ia “bater tambor”.

Depois que percebeu os motivos do assédio e da discriminação, a advogada decidiu gravar áudios de conversas com a chefe para embasar a denúncia. Em uma das conversas, a advogada diz: "Jure pela sua mãe que você não falou que macumba não dura para sempre, que você estava se aliando a uma pessoa errada. Jure!". A chefe responde: "Eu falei. Eu juro que isso aconteceu!".

A Vivo, que recentemente recebeu uma grande quantia do governo de Temer para pagar suas dívidas, não comentou sobre o caso, nem muito menos assumiu uma postura de defesa da funcionária. Enquanto nos é oferecido um serviço de péssima qualidade na telefonia, os casos de assédio e exploração só aumentam nas empresas, que serve para encher os lucros dos patrões.




Tópicos relacionados

Racismo   /    Negr@s

Comentários

Comentar