INTERNACIONAL

Trump é recebido com protestos em sua primeira visita à Grã-Bretanha

Donald Trump inicia sua primeira visita oficial ao Reino Unido, com o pano de fundo das demissões de dois ministros do governo britânico e protestos em massa.

Alejandra Ríos

Londres | @ale_jericho

quinta-feira 12 de julho| Edição do dia

Com o pano de fundo das demissões de dois ministros por discrepâncias em torno do brexit e o chamado por protestos massivos nas ruas, Donald Trump inicia sua primeira visita oficial ao Reino Unido, junto com a primeira dama americana, Melania Trump.

De acordo com o jornal The Guardian, a primeira-ministra Theresa May aguarda nervosamente a chegada de Trump no Reino Unido. A visita durará quatro dias e as palavras de bajulação são esperadas do presidente dos Estados Unidos. As reuniões realizadas com toda a pompa procuram agradar um potencial aliado em vista de um fracasso nas negociações do brexit.

A primeira-ministra britânico disse em uma pré-visita que "haverá no futuro uma relação mais importante" bilaterais entre os dois países, e sublinhou "a oportunidade de aprofundar" estes dias declaração. Ele afirmou ainda "podemos iniciar conversações sobre a forma de forjar uma parceria comercial reforçada, ambiciosa e à prova de futuro" para depois "brexit" British -Departure da União Europeia (UE).

Embora as diferentes rotas da visita estejam organizadas de forma a evitar os protestos, o governo organizou uma imensa operação policial que não se via desde os protestos de 2011. Cerca de 4.000 agentes serão mobilizados, todas as baixas e dias de protestos e haverá desdobramento de forças de outras partes do país para Londres. O custo da operação de segurança é estimado em 12 milhões de libras esterlinas (mais de 15 milhões de dólares), pelo menos.

Desde o anúncio da visita de Trump à Grã-Bretanha, várias ações de protesto foram organizadas. Estes são uma continuação da marcha em defesa dos direitos das mulheres convocada em janeiro de 2017 para coincidir com a suposição de Trump como presidente dos Estados Unidos.

Os principais convocadores são a "Coalizão Stop Trump" ("Stop Trump Coalition") e a aliança "Together Against Trump". A primeira é uma coligação formada em 2017 e composta por organizações e ativistas de renome, figuras culturais e líderes sindicais contra a visita de Donald Trump no Reino Unido, enquanto a Alliance "Juntos Contra a Trump" reúne sindicatos, "Pare o Coalizão de Guerra "(Coalizão contra a guerra), A campanha contra o racismo" Stand Up To Racism "e a Associação Muçulmana da Grã-Bretanha, entre outros. Ambas as coalizões se juntaram na chamada para a marcha nacional na sexta-feira, 13 de julho.

Muitas organizações e ativistas aderiram ao chamado: ativistas contra o racismo, pelos direitos dos migrantes, contra cortes, pelos direitos das mulheres e pelo aborto, pelos direitos das pessoas LGBT, pelo desarmamento nuclear e pela atitude o belicismo, contra o desmantelamento dos serviços públicos, contra a destruição do meio ambiente e contra a separação forçada das crianças de suas famílias migrantes, esta última política não é alheia à União Européia. Nas reuniões preparatórias, insistiu-se que o protesto é contra todas as políticas que Trump representa e também aplicadas pelos governos europeus. Na Grã-Bretanha, em particular, o clima pós-Brexit aumentou a narrativa em que os migrantes são usados ​​como bodes expiatórios para a crise econômica que se arrasta desde 2008.

A série de protestos começa nesta quinta-feira no Blenheim Palace, o berço do primeiro-ministro britânico Winston Churchill, uma residência rural monumental localizada no condado de Oxfordshire, Inglaterra, e cujo prédio foi declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Nos EUA, assim como na Europa, os governos implementam políticas de cortes e ajustes para favorecer os interesses das grandes empresas. A noite será animada com um banquete para o casal presidencial, no qual um seleto grupo empresarial e políticos também serão convidados.

Na sexta-feira, espera-se uma participação massiva na marcha nacional em Londres. Dezenas de milhares de ativistas decidiram "dar as boas vindas" a Trump. Uma das estrelas é um balão gigante de um "Baby Trump" para caricaturar o presidente vestindo fraldas e empunhando um móvel, um grupo de ativistas hasteada no Palácio de Westminster.

O dia da sexta-feira começa pela manhã com a Marcha das Mulheres e seu "muro de ruídos", seguido pela tarde pela Marcha nacional contra Trump que terminará em um ato público. Centenas de ônibus de diferentes partes do país transportarão contingentes de diferentes partes do país para dizer um NÃO forte às políticas que Trump representa. O Esquerda Diária irá cobrir as manifestações na Grã-Bretanha.




Tópicos relacionados

Donald Trump   /    Brexit

Comentários

Comentar