Sociedade

MANIFESTAÇÃO DA SAÚDE NO RIO

Trabalhadores e usuários do SUS fazem ato no Complexo do Alemão

Ato que reivindicava pagamento dos salários dos trabalhadores da Saúde do Município do Rio e repudiava o cortes na Saúde percorreu as ruas do Complexo do Alemão caminhando do CAPS AD III Miriam Makeba até o CAPS João Ferreira na Estrada Itararé.

quinta-feira 31 de agosto| Edição do dia

Este ato que aconteceu na tarde desta quinta, 31/08, foi um das ações descentralizados que as Equipes da Clinicas das Famílias, serviços territoriais de prevenção e promoção de saúde, dos CAPSs (CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL) dentre outros serviços de saúde tem organizado contra o desmonte da Secretaria de Saúde do Município pelas mãos de Crivella.

O prefeito que em sua candidatura tinha o slogan “Cuidar das pessoas” vem fazendo cortes profundos na Política de Saúde do Município. Os cortes tem chegado a 65% dos contratos com as OSs (Organizações Sociais) que administram unidades de saúde e saúde mental do município. Atualmente a administração da OS representa 53% da rede municipal que equivalem a 176 unidades de saúde da capital. Os cortes e falta de repasses ás OSs tem acarretado atraso nos salários e as unidades vem sofrendo com a falta de insumos e até de comida.

Os Trabalhadores de diversos serviços tem se articulado contra esse ataque da Saúde, que se soma aos ataques de nível Estadual com Pezão, dentre eles estavam os trabalhadores do CAPS AD III(CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS) Miriam Makeba que estão com os salários de julho atrasados.O CAPS AD III Miriam Makeba é único CAPS AD da região com cerca de um milhão de habitantes que abrange o Complexo do Alemão, Complexo da Maré, Penha, Manguinhos, Ramos, Bonsucesso, Olaria, Brás de Pina, Jardim América, Ilha do Governador, Vigário Geral, Cidade Alta, Parada de Lucas e Penha Circular. Nesta quarta, dia 25/08, na página do Facebook do Movimento“Nenhum Serviço de Saúde a Menos” foi divulgada a Carta dos trabalhadores do CAPSad onde relatam a grande dificuldade que os funcionários tem enfrentado para manter o atendimento à população usuária.

Além desse ato de hoje foi votada uma paralisação para amanhã dia 01/09 e também uma Audiência Pública que acontecerá amanhã as 10 horas na Câmara dos Vereadores .Veja na integra Carta protocolada na Prefeitura, do Movimento “Nenhum Serviço de Saúde a Menos”:

"Os trabalhadores da Atenção Básica e da Saúde Mental do Município do Rio de Janeiro, para cumprimento das exigências da Lei n° 4.783/89, avisa à Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil, aos usuários de seus serviços e à população em geral, que, realizaram Assembleia Geral Extraordinária em 25 de agosto de 2017 onde deliberaram a deflagração de paralisação parcial de um dia das suas atividades em 01 de setembro de 2017 em razão de manterem-se os atrasos de salários. Os trabalhadores protocolaram carta solicitando audiência com o Prefeito há mais de 15 dias e não obtiveram resposta para compor mesa de negociação. As unidades funcionarão com o mínimo de 30% do quadro profissional por categoria garantindo o atendimento à casos de urgência e prioritários.

Rio de Janeiro, 30 de Agosto de 2017
Movimento Nenhum Serviço de Saúde a Menos".

Mais do que condições de trabalho dignas e pagamentos dos salários, é necessário que a saúde seja de fato pública e gratuita onde a manutenção e administração seja de responsabilidade dos governos e não repassadas as iniciativas privadas ou terceirizadas!

Toda a solidariedade aos trabalhadores da Saúde e Saúde Mental!

Pelo pagamento imediato dos salários e repasse das verbas para funcionamento das Unidades de Saúde!

Por um SUS público e gratuito!




Tópicos relacionados

Crise no Rio de Janeiro   /    Rio de Janeiro   /    Sociedade   /    Saúde

Comentários

Comentar