Mundo Operário

TELEMARKETING

Trabalhadores do telemarketing relatam descaso das empresas. Envie sua denúncia!

Recebemos pelo Esquerda Diário vários relatos de trabalhadores de vários lugares do país, da rede de call center, passando por situações de total descaso das empresas. Em meio a pandemia de coronavírus, essas empresas seguem obrigando os trabalhadores terceirizados a trabalhar em condições precárias. Envie sua denúncia, garantimos anonimato.

quarta-feira 18 de março| Edição do dia

São milhares de trabalhadores terceirizados por todo país, trabalhando por salários baixíssimos e em condições precárias durante a pandemia de Covid-19. Uma categoria que tem cerca de 80 mil trabalhadores no Brasil, mas com uma rotatividade imensa. Na sua grande maioria são mulheres jovens. É a forma que os grandes bancos e outras grandes empresas desenvolveram de ampliar seus lucros, precarizando o trabalho, reduzindo o salário, flexibilizando as leis trabalhistas e tirando de suas mãos a responsabilidade direta por estes trabalhadores.

Recebemos inúmeras denúncias de trabalhadores de telemarketing que ocultaremos o nome. Se você também tem denúncias do seu local de trabalho envie para o Esquerda Diário.

São denúncias de empresas como Brasil Center de Juiz de Fora, Atento, Zanc, Malta Cobrança, BTCC, etc. Todo tipo de absurdo que esses trabalhadores tem que passar. Chefe alegando que "o vírus não passa pelo ar", para pressionar o trabalhador a continuar no ponto de atendimento. Não liberam mulheres grávidas. Locais nunca higienizados. Sem álcool em gel.

Vejam a denúncia que recebemos de um trabalhador da Atento Brasil, em São Bernardo do Campo.

"Bom dia. Eu trabalho em uma empresa de telemarketing em São Bernardo do Campo, Atento Brasil, trabalho em um galpão onde ocupa mais ou menos 100 teleoperadores na parte de cobrança. Até o momento a empresa não tomou providência sobre o que irão fazer para evitar o contato com a aglomeração de pessoas nos breacks muita gente acumulada e a unica coisa que fizeram até agora foi espalhar pequenos recipientes de alcool em gel pela empresa. Estamos todos preocupados com nossa saúde, ainda mais eu que tenho imunidade baixa."

Recebemos outra denúncia da empresa Zanc em Porto Alegre.

"Bom dia. Trabalho na empresa Zanc em Porto Alegre, no setor de cobrança dos cartões ligados ao Itaú. Reduziram a jornada de trabalho para 4 horas diárias, mas ainda ocorrem grande aglomerações, ficamos fechados no mesmo setor todas essas horas. Temos apenas 10 minutos de intervalo durante nossa escala. Não tem alcool em gel para todo mundo. Muitos equipamento são compartilhados, nunca higienizados, como teclado e mouse. Assim como tudo na nossa vida, se não impormos a liberação de nosso posto de trabalho, garantindo nossos salários, vão nos deixar expostos para garantir seus lucros e seguir cobrando as dívidas das pessoas com o Itaú. Sinceramente, o Itaú não vai quebrar por não cobrarmos suas dívidas durante esta crise. Nossa vida vale mais do que o lucro do Itaú ou da Zanc."




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    precarização   /    Telemarketing   /    Trabalho Precário   /    Terceirização   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar