Mundo Operário

LUTA DA UNILEVER

Trabalhadores da Unilever detidos pela polícia em Vinhedo acabam de ser liberados

Trabalhadores da Unilever em greve detidos pela polícia foram soltos agora há pouco em Vinhedo. A polícia reprimiu a manifestação dos trabalhadores que estavam em greve conversando com os demais companheiros sobre a mobilização.

sábado 7 de outubro| Edição do dia

Foto: EPTV

A patronal, segundo informações dos trabalhadores, estava assediando os funcionários que não aderiram ao movimento de greve para que entrassem nos ônibus encapuzados, para poderem entrar na fábrica sem conversar com os colegas que participavam da greve.

Hoje, pela tarde, em um espaço de rotina da mobilização, a polícia chegou com toda a sua truculência para impedir que os trabalhadores possam se organizar e levaram 3 diretores sindicais para a delegacia. Na porta da delegacia, a polícia reprimiu cerca de 100 pessoas que estavam esperando notícias dos companheiros que haviam sido presos e prendeu mais dois manifestantes. Como inclusive, denunciamos aqui nessa matéria.

Agora, há pouco tempo, depois de muitas denúncias dos trabalhadores nas redes sociais mostrando a truculência da polícia que usou cassetetes e bombas para reprimir a manifestação e de mobilização na porta da delegacia, a polícia terminou de liberar os trabalhadores.

O Esquerda Diário segue expressando todo o apoio e solidariedade aos trabalhadores e repudiando a repressão da polícia, mas também toda a intimidação que a patronal vem fazendo com esses trabalhadores.

A luta que os trabalhadores da Unilever estão travando contra as demissões, de pelo que parece mais de 10% do quadro da empresa, é fundamental, mas também a luta contra a terceirização na fábrica, batalha importante contra a precarização do trabalho, inclusive no marco de uma reforma trabalhista colocada para precarizar ainda mais os postos de trabalho. É fundamental que cerquemos essa luta de solidariedade.




Tópicos relacionados

Trabalhadores   /    Campinas   /    Movimento Operário   /    Repressão   /    Campinas   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar