Educação

Teto nos gastos pode levar a suspensão do pagamento de bolsas na CNPq

Por conta do teto de gastos, se o governo não desbloquear o orçamento do CNPq, cerca de 90 mil bolsistas e 20 mil pesquisadores poderão ter o pagamento de suas bolsas interrompidas.

quarta-feira 2 de agosto| Edição do dia

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) está financeiramente esgotado e não terá dinheiro para pagar bolsas e projetos a partir do próximo mês, se seu orçamento não for desbloqueado pelo governo federal. Cerca de 90 mil bolsistas e 20 mil pesquisadores poderão ser prejudicados pela interrupção dos pagamentos. Segundo o presidente do CNPq, Mario Neto Borges, "O caso é de urgência urgentíssima. Acabou o dinheiro."

O CNPq é a principal agência de fomento à pesquisa do País. Vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), ela ainda não tinha sido atingida pelo congelamento de 44% do orçamento do pasta, anunciado em março pelo governo federal. Mas a situação chegou ao limite.

"Até agosto conseguimos honrar nossas dívidas. De agora para frente, se não houver uma ampliação dos limites de empenho, vamos ficar impedidos de cumprir os compromissos assumidos, incluindo o pagamento de bolsas", afirma Borges. Que deve encontrar-se ainda hoje com o ministro Gilberto Kassab para discutir a situação.

O orçamento do CNPq aprovado para este ano é de R$ 1,3 bilhão, mas, por causa do contingenciamento, o órgão está autorizado a gastar apenas 56% disso (cerca de R$ 730 milhões). Até agora, já gastou R$ 672 milhões. Segundo Borges, a estratégia foi atrasar a aplicação do corte para o fim do ano - em vez de parcelá-lo mês a mês - na expectativa de que o ministério consiga "convencer o governo" a reverter a situação.

Os cortes do governo mostram quais são suas prioridades, enquanto congela orçamentos na saúde e educaação, Temer investe milhões me jantares e tudo que lhe permita comprar votos para salvar sua pele e aprovar durissímos ataques aos trabalhadores e a juventude, como foi com a reforma trabalhista. Enquanto isso milhares de estudantes em todo o país correm o risco de não receber suas bolsas e não ter como pagar suas contas. Toda essa situação escancara como para os governos capitalista nossa educação deve ser tratada apenas como uma mercadoria lucrativa e não como um direito que deve ser garantido com prioridade.




Tópicos relacionados

orçamento   /    Educação   /    Juventude

Comentários

Comentar