Política

CPI DA PETROBRAS

Tesoureiro do PT não será obrigado a dizer a verdade em CPI

quinta-feira 9 de abril de 2015| Edição do dia

Nesta quarta-feira o ministro do Superior Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, concedeu um Habeas Corpus para João Vaccari Neto, tesoureiro do PT que participará de depoimento para a CPI da Petrobrás nesta quinta-feira (09/04).

O habeas corpus foi concedido para que Vaccari faça o depoimento na condição de réu investigado na apuração, ao invés de testemunha.

Nesta condição o depoente está livre do dever de falar a verdade na audiência. Na prática está garantido a Vaccari o direito de ficar em silêncio.

Caso depusesse em condição de testemunha, Vaccari poderia ser preso se ficasse claro que não está falando a verdade. Na condição de investigado pode ficar em silêncio, mentir e consultar o advogado cada vez que precisar responder a uma pergunta.

Aparentemente o julgamento como "testemunha" seria mais brando. No entanto, para além de garantir um privilégio, dentro de uma CPI cada vez mais "fria", o depoimento como "investigado", ajuda a preservar o Vaccari na crise interna ao PT.

Vaccari, que faz parte da corrente majoritária dentro do PT, vem sendo questionado internamente e corre o risco inclusive de ser afastado do cargo.

Não se pode descartar também que apareçam mais depoimentos contundentes e nesta hipótese uma prisão de Vaccari por acusação de mentir como testemunha poderia aprofundar ainda mais a crise política no PT.

A defesa de Vaccari e a corrente majoritária do PT buscam evitar que uma maior crise interna e a repercussão "para fora" desta crise tornem as coisas ainda mais difíceis para o partido, já muito questionado e afastado dos interesses de amplas camadas dos trabalhadores.




Tópicos relacionados

Política

Comentários

Comentar