Mundo Operário

COSTA RICA

Terceira semana de greves na Costa Rica contra os ajustes do governo e do FMI

Na segunda-feira, 24 de setembro, começou a terceira semana de greves contra a Reforma Fiscal imposta pelo FMI e pelo governo de Carlos Alvarado.

terça-feira 25 de setembro| Edição do dia

A semana anterior começou com a perspectiva de uma negociação entre a liderança sindical e o governo. No entanto, estes encontros não produziram nenhum acordo ainda no meio de segredo que manter ambas as partes sobre as questões abordadas. As negociações foram intermediadas pela Igreja Católica e da Frente Amplio, ambos os pontos de vista emitidos sobre a necessidade de diálogo na paz social, para diminuir o impacto da greve sobre o país entra em sua terceira semana.

De acordo com pesquisas do Centro de Pesquisa e Estudos de Política (CIEP) da Universidade de Costa Rica, apenas 14% da população apoia a aprovação da reforma fiscal no Legislativo, enquanto 65% é de uma reforma buscando negociação "Mais justas e progressistas" e 21% consideram que a reforma deve ser retirada da agenda legislativa. 86% da população demonstra contra a política privilegiada do governo, ou seja, a atual Reforma.

Dado esse grau de fraqueza política, o governo optou pela repressão nas áreas periféricas do país, onde dezenas de detidos, ameaçados pelas autoridades, permanecem em processo judicial. Essa política de assombro entrou em vigor em alguns setores da greve, que adotaram posições mais conservadoras quanto à necessidade de tomar a rua como medida válida para acompanhar a greve.

Por outro lado, na medida em que o governo tomou ar com a "negociação", setores da direita começaram a aparecer em redes contra a greve e pedindo a bebida amarga de cicuta para setores da classe trabalhadora - da Reforma Fiscal. No entanto, o apoio à greve não diminuiu, o que vem diminuindo são as pesquisas que tentam esconder o claro apoio à medida da luta pela maioria da população.

Na próxima quarta-feira, dia 26, está prevista uma nova ação de força dos trabalhadores na capital, São José. Uma segunda marcha nacional, que é esperada, será mais longa do que a feita há 15 dias. Essa marcha poderia mudar o ambiente político que foi instalado com a "negociação", fortalecendo ainda mais a greve.

Dois eventos significativos também começam a desenvolver: primeiro o surgimento do movimento estudantil, especialmente estudantes do ensino médio, um componente-chave na derrota do Combo ICE há 18 anos. Por outro lado, o surgimento da espinha dorsal de estudantes universitários: os estudantes da Universidade da Costa Rica já lançaram a chamada para marchar na terça-feira 25 e quarta-feira 26.

Nesse sentido, a marcha de 26 poderia unificar nas ruas todas as forças que derrotaram a contra-reforma promovida pelo governo, com uma força maior do que durante o próprio Combo e o TLC.Se isso acontecesse, teria entrado em território inteiramente novo, uma vez que essa correlação de forças nas duas últimas décadas supunha a classe média - representada hoje no partido no poder - no mesmo lugar que os trabalhadores e até os dirigentes. Se essa situação ocorrer e se não houver acordo entre as direções sindicais e o governo, o conflito poderá se intensificar radicalmente em direção a extremos, como a luta de classes.




Tópicos relacionados

Mundo Operário   /    Internacional

Comentários

Comentar