Política

TEMER

Temer planeja acordões para se defender de denúncias

Alvo de dois inquéritos no STF, um relacionado à propina da Odebrecht na Secretaria de Aviação Civil e outro se um decreto assinado pelo golpista beneficiou empresas no setor de portos, Temer planeja alianças para se salvar.

segunda-feira 12 de março| Edição do dia

O golpista Michel Temer mandou convocar nesta segunda-feira (12) líderes e vice-líderes governistas numa articulação para demonstrar força em meio às duas investigações do qual é alvo. Em mais uma tentativa de se salvar, Temer provavelmente recorrerá aos acordões milionários enquanto aplica medidas impopulares na população.

Apesar da rejeição histórica da população, que chega a mais de 90% Temer ainda tenta mostrar como o gestor de negócios da burguesia. Apesar das diversas denúncias, a divisão entre a própria burguesia e a paralisia das centrais sindicais permitem que o governo continue aplicando diversos ataques à classe trabalhadora brasileira, ainda que tenha que ter recuado na reforma da previdência por não ter conseguido comprar votos suficientes de deputados para a aprovação do ataque.

Temer segue tentando comprar aliados para escapar do seu julgamento. No último sábado o golpista também se reuniu com Carmen Lucia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), não coincidentemente ao mesmo tempo em que tenta fazer com que seu nome não seja incluso em inquérito da Odebrecht na Operação Lava-Jato.

Não será com a justiça burguesa julgando Temer que se dará uma saída a esse e tantos outros casos de corrupção, já que a própria presidente do STF também recebeu amistosamente para um café da manhã o presidente que irá julgar. O judiciário não cansa de dar mostrar de uma não neutralidade e que atua conforme interesses políticos, sempre a favor dos empresários. Somente a classe trabalhadora organizada pode de fato acabar com esse governo e fazê-lo responder, sendo julgado por um juri popular, por todos os crimes e as mazelas sociais causadas.




Tópicos relacionados

STF   /    "Partido Judiciário"   /    Michel Temer   /    Poder Judiciário   /    Política

Comentários

Comentar