ATAQUES DE TEMER

Temer ataca o funcionalismo, os direitos e ainda assim agrava déficit da meta fiscal

Temer e seus comparsas cortam dos direitos dos trabalhadores em diversas frentes para manter intacta o pagamento da divida pública, a desculpa é a preocupação com a meta fiscal mas a mesma se mostra flexível para se safar de denuncias ou beneficiar seus correligionários.

sexta-feira 11 de agosto| Edição do dia

A Instituição Fiscal Independente (IFI), instituição do Senado responsável pelas contas públicas, divulgou ontem (10) nova previsão do déficit fiscal de 2017: R$ 156,2 bilhões, isto é, R$ 12 bilhões maior que a previsão anterior (R$ 144,1 bilhões). Em relação a 2018, a previsão da IFI aumentou de R$ 166,2 bilhões para R$ 183,8 bilhões, cifra ainda mais distante da meta de R$ 129 bilhões do governo, aumentada para R$ 149 bilhões após a divulgação das novas previsões.

A meta de 2017 também foi aumentada em R$ 20 bilhões, totalizando R$ 159 bilhões. Isso, apesar de o governo ter anunciado mais um pacote de corte de gastos, que inclui o adiamento do reajuste salarial de 2018 para 2019, a diminuição do salário inicial dos servidores públicos em R$ 5 mil, diminuição da ajuda de custo, do auxílio moradia, e até mesmo o fim do auxílio reclusão, além do aumento da contribuição previdenciária desses servidores federais de 11% para 14%. Alguns ministros propõem ainda um teto salarial, que afetaria principalmente os funcionários do judiciário.

FONTE: O Globo (link).

Somente o não-reajuste dos servidores federais em 2018 pode diminuir os gastos do governo em quase R$ 10 bilhões e, mesmo assim, a conta ainda não fecha, pois não ataca a fraudulenta dívida pública através da qual os capitalistas apropriam-se de metade do orçamento anual, às custas de educação, saúde, transporte, seguridade social, em suma, dos diretos do povo trabalhador. O ministro da fazenda, Henrique Meireles, está disposto a contingenciar ainda mais o orçamento de 2017, do qual já foram cortados R$ 45 bilhões, de maneira a pagar essa verdadeira “bolsa banqueiro” sem “estourar” o déficit de R$ 159 bilhões, que também foi o registrado em 2016. Jornais como O Globo (link aqui) já falam em Shutdown, isto é, “desligamento” do governo por falta de recursos.

O presidente golpista Michel Temer e seu ministro Meireles também se reuniram com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e com líderes da base aliada para propor aumentos de impostos, ao que os deputados reagiram negativamente, pedindo que as contas sejam refeitas, pois tais propostas não avançariam no Congresso exceto em último caso. [O governo golpista cogita também cortar R$ 10 bilhões do PAC (link aqui).

Fonte da Foto: Jovem Pan Online




Comentários

Comentar