Educação

EDUCAÇÃO

Tabata Amaral: "Tem faculdades e universidades que dá pra cortar mais que outras"

Um dia antes das manifestações nacionais contra o corte de verbas na educação convocados pela União Nacional dos Estudantes, Tabata Amaral, jovem deputada do PDT em SP, afirmou para Estadão que “Não estou criticando ele por estar cortando das universidades, estou criticando por estar cortando sem nenhum critério, por razões ideológicas”.

quinta-feira 30 de maio| Edição do dia

Mas não parou por aí. Neste encontro de "Inconsciente Coletivo" no Estadão, a deputada que se dizia "nem de esquerda, nem de direita" foi além. Não bastava defender um corte seletivo das universidade públicas, como responsabilizou o corte à demora em aprovar a nefasta Reforma da Previdência, endossando o discurso de chantagem de Bolsonaro às universidades, à serviço dos grandes interesses do capital financeiro de que a classe trabalhadora brasileira trabalhe, com menos direitos, até a morte:

"Tem essa campanha toda de desinformação que ele (Weintraub) está fazendo ao falar que em setembro vai ser liberada a verba. Não vai ser liberada, porque o Brasil não vai mudar nada até setembro. Não vai aprovar a reforma da previdência até setembro”, afirmou a jovem."

Assim, a deputada do PDT não se afasta tanto da linha política do próprio PT, diante dos ataques duros que o governo Bolsonaro vem fazendo à educação, e às aposentadorias. Os governadores do PT buscam também, como Tábata, uma "reforma da previdência alternativa" à de Bolsonaro/Guedes, que significará atacar as aposentadorias de milhões dos trabalhadores mais pobres. Rui Costa, governador do PT na Bahia, anunciou que o pagamento de mensalidades no ensino superior não pode ser um tabu: se Tábata não chegou ainda até essa posição, o conteúdo de sua entrevista mostra que não é contrária a todo e qualquer ataque à educação.

Oposição a Bolsonaro?

Tábata Amaral aos poucos foi revelando que não tem nada de esquerda. Em muitas universidades e em setores progressistas, encontrava simpatia por ser uma mulher jovem e que se apresentava como ética e construtora de uma "nova política". Foi a partir de seu embate com o ex-ministro da Educação, Veléz, que ganhou maior popularidade.

Mesmo nunca escondendo sua defesa à Reforma da Previdência, que somente reforça os privilégios dos mais ricos e significa um enorme ataque a população pobre e trabalhadora, a defesa da educação seguia sendo "sua vitrine". Líder do movimento Acredito, Tábata deu uma ótima demonstração de que era impossível verdadeiramente defender a educação pública e compactuar com Bolsonaro e Guedes na Reforma da Previdência, que significa um enorme ataque os trabalhadores da educação.

Voltando à entrevista, Tábata disse:
"Uma crítica que eu faço em relação ao ministro, e acho que essa é uma coisa pela qual sou criticada, inclusive dentro da esquerda, é por tentar sair um pouco desse embate ideológico. Não estou criticando ele por estar cortando das universidades, estou criticando por estar cortando sem nenhum critério, por razões ideológicas. Esse é o meu ponto. Concordo que esse debate sobre onde a gente investe mais deva existir. Ele é muito válido, só que não é o que está sendo feito agora (...) Tem faculdades e universidades que dá para cortar mais do que outras. Universidades que fazem uma gestão muito eficiente são penalizadas quando você faz um corte burro".

Como se vê, de conteúdo, Tábata e o PDT não têm nada de oposição ao governo Bolsonaro, apenas em pequenos detalhes... na ordem dos cortes, em pontos específicos da Reforma da Previdência. Foi assim também o seu recado para Bolsonaro, ainda no Estadão:
"Ele tem algumas opções, que não são autoritárias. Gostaria que finalmente dissesse, “está bem, vou me esforçar para fazer o que se espera de um líder democrático e se eu não conseguir, vou trazer pessoas boas para o meu redor. Um ministro da Educação que entende de educação, um ministro de Relações Exteriores que entenda de relações exteriores, um ministro do Meio Ambiente que entenda a importância do meio ambiente".

Qual o papel dos deputados que verdadeiramente defendam os trabalhadores?

Tábata Amaral foi financiada por Jorge Paulo Lemann, um dos homens mais ricos do Brasil. Tábata foi uma de suas candidatas em 2018, cujos estudos em Harvard foram financiados pela Fundação Estudar, uma fundação iniciada por Lemann, Marcel Teles e Beto Sicupira na década de 1990 para treinar CEOs de empresas e bancos de renome. Cada dia mais, vai demonstrando que não passa de mais uma voz com um rosto novo, para uma velha política de sustentação do capitalismo.

Em diversas universidades, há estudantes que votaram no PDT no primeiro turno contra Bolsonaro, muitos que buscavam cálculos matemáticos baseados no anti-petismo, "esqueciam" de olhar o programa e o caráter de classe deste partido, e de sua base, para compreender o porque era impossível tal vitória, e a que servia tal "oposição". Todavia, há setores que ainda se conformem com "as regras do jogo" que no capitalismo são intrínsecas a corrupção e a defesa de uma das classes antagônicas, fruto do desenvolvimento histórico de nossa sociedade. O encontro com Dória, inimigo dos professores de São Paulo, diziam estes setores que era parte "da democracia", e que não se afirmar enquanto de esquerda era a "vantagem" para dialogar com o anti-petismo, quando na verdade não passou de uma expressão de quão servil ao capital está o PDT.

Invés da atuação da deputada do PDT que é parte do rol dificilmente ilustre do "progressismo" que busca encontrar justificativas para convencer de que a população deve pagar com suas aposentadorias pela crise dos capitalistas. Os marxistas revolucionários tem uma outra concepção de como atuar no parlamento, sem ter de ceder os fantasiosos consensos, que significam em tempos de crise econômica mundial, fazer a classe trabalhadora carregar nas suas costas o peso da exploração ainda mais brutal para manter os lucros capitalistas.

Em primeiro lugar, qualquer parlamentar verdadeiramente comprometido com a classe operária e o povo pobre deveria se colocar intransigentemente contra os planos do capital financeiro de descarregar a crises sobre os trabalhadores, rechaçando qualquer Reforma da Previdência. E deveria ter aproveitado as mobilizações do 15M para exigir das grandes centrais sindicais que antecipassem a greve do 14 de Junho para unificar a luta contra os cortes a nefasta reforma da previdência. Invés de sentar com os inimigos do povo e dos trabalhadores como Dória, ou buscar consensos com Bolsonarismo, deveria separar-se claramente dos setores burgueses e constituir uma defesa do princípio da independência política dos trabalhadores, questão essa que é impossível a Tábata e o PDT por serem diretamente financiados por Leman e outros setores burgueses.

A atuação dos revolucionários deve ser de um verdadeiro combate aos privilégios, começando por renunciar os super-salários e os privilégios da casta políticas, recebendo um salário de um operário médio e doando o restante para as lutas em curso, buscando fortalecer a luta de classes, o único caminho verdadeiro para a defesa da classe trabalhadora na luta por seus direitos rumo a um verdadeiro governo de trabalhadores, baseado na auto-organização por locais de trabalho e de estudo, em ruptura com o capitalismo. Somente com parlamentares que não estejam comprometidos de salvar o capitalismo brasileiro, mas sim o Brasil do capitalismo, é que pode-se utilizar as posições conquistas no parlamento para fortalecer a luta de classes e assim construir uma verdadeira oposição a Bolsonaro, muito diferente do que fez o PT ao longo de seus governos, que se aliou aos setores mais sujos do capitalismo e chega hoje a defender inclusive mensalidades nas universidades públicas.

É por esta perspectiva que nós do MRT atuamos nas eleições em 2018 e que vamos as ruas no dia de hoje, para fortalecer a luta pela unidade da classe trabalhadora para lutar contra os capitalistas.




Tópicos relacionados

PDT   /    Educação   /    Política

Comentários

Comentar