Internacional

SUDÃO

Sudão: entre o levantamento das massas e a geopolítica

Nos últimos quatro meses estamos testemunhando um enorme processo de mobilização no Sudão, chamado a "revolta do pão". Explicamos aqui um pouco de seu fundo histórico.

domingo 21 de abril| Edição do dia

Suas reivindicações se tornaram um grande desafio para o regime geral do país africano. O poder das massas levou à queda do brigadeiro Omar Al Bashir, agora na prisão, que estava no poder desde 1989, quando ele deu um golpe militar, embora mais tarde ele tenha legalizado sua figura com base em fraude eleitoral.

Na quinta-feira, 11 de abril, o exército assumiu o comando com um golpe para frear o processo de mobilizações instalando o Conselho Militar de Transição, liderado pelo general Ahmed Awad Ibn Auf, ex-vice-presidente de Al Bashir. Os primeiros anúncios da CMT são de que eles ficarão no poder por 2 anos para reorganizar o Estado e então chamar eleições "livres e justas" com base no toque de recolher, fechamento de fronteiras e espaço aéreo, suspensão de garantias constitucionais, cessar-fogo nos territórios em conflito, entre outras medidas.

No entanto, a pressão das massas causou a queda de vários ministros militares em poucos dias e ainda permanece sem fechar o processo. Houve uma presença feminina espetacular, adotando Alaa Salah, um jovem estudante de arquitetura, como um ícone da luta, com tudo o que isso implica em um país muçulmano. Além de um grande número de jovens e estudantes, liderados pela Associação dos Profissionais Sudaneses, que reúne os principais sindicatos.

Nesta quinta-feira, dezenas de milhares foram mobilizadas em Cartum com a exigência da queda do governo militar, com um comunicado de imprensa anunciando para o domingo, 21 de abril, os nomes dos candidatos a um governo civil.

O contexto histórico da situação atual

Vamos tentar explicar o que aconteceu no Sudão e qual é a sua importância geopolítica para entender o processo atual.

O Sudão é um país com 40 milhões de habitantes, com uma grande crise econômica ligada a uma dívida externa volumosa, falta de recursos essenciais como alimentos, medicamentos e água. Sua história recente é atravessada por lutas internas de raízes religiosas, étnicas e tribais.

Sua importância é geoestratégica. É um país muito rico em minerais, mas especialmente em petróleo e gás. Também têm a passagem do rio Nilo, que fornece água para todo o norte da África. Antes de sua independência da dominação anglo-egípcia em 1956, o Sudão estava passando por grandes contradições internas. Por um lado, pela política britânica de manter as regiões norte e sul separado, por outro por assuntos religiosos: no norte há uma maioria muçulmana esmagadora e no Sul há cristãos e animistas (Shilluk, Nuer, Dinka, etc.) .

A independência levou ao poder uma administração nacionalista árabe que tinha a política sistemática de arabização e islamização do sul cristão e animista. Isso desencadeou uma revolta sangrenta, a do Anyanya, onde uma impressionante aliança de tribos animistas foi alcançada. Duas grandes guerras foram travadas, a Primeira Guerra Civil com o Sul, de 1955 a 1972, e a Segunda da mesma raiz, de 1983 a 2005, onde os se termina a reconhecer dois governos, Juba no Sudão do Sul e Cartum em Sudão.

Este conflito ainda persiste, mesmo em 2011 com a independência do Sudão do Sul assinada, a luta entre os dois países não cessa. As províncias de Kordofan do Sul e Nilo Azul, ainda em guerra, foram devastadas, milhares de pessoas foram deslocadas ou morreram de fome tentando chegar em campos de refugiados e 2 milhões de crianças ainda não têm acesso à escola.

O Sudão, onde todas as refinarias estão localizadas, procura continuamente empurrar sua fronteira para controlar o máximo de recursos possível no sul. Nesta área, todos os tipos de grupos armados, sudaneses do sul, guerrilhas tribais autônomas, etc. estão concentrados. Concentram-se 80% das reservas de petróleo, gás e água, além dos investimentos mais importantes da China. Este conflito explodiu o país durante anos. Sudão do Sul é afogado na miséria porque não pode ter a capacidade instalada no norte, nem para acessar o Mar Vermelho, onde os portos sudaneses estão localizados e a proximidade estratégica para o Canal de Suez, onde quase todo o comércio entre a Ásia passa e a Europa.

Da mesma forma, o Sudão continua em crise humanitária, em parte porque não pode ter acesso para processar os recursos do sul e manter guerras sem fim. Um deles foi o genocídio em Darfur, em 2003, pelo qual Al Bashir foi condenado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) por 400.000 mortos de guerra e crimes contra o Sudão do Sul. Além disso, faz parte do Conselho de Colaboração do Golfo (CCG), onde fornece milhares de soldados e veículos militares que apoiam a agressão da Arábia Saudita ao Iêmen.

O retrocesso hegemônico do imperialismo em toda a região, que deu ar à Primavera Árabe, gerou a reavaliação dos países africanos como apostas geoestratégicas. A China vem nessa direção fazendo uma aposta monumental em todo a região Chifre da África para expandir suas aspirações imperialistas, por um lado, e para escapar do escopo tarifário dos EUA.

Esses investimentos estão relacionados à extração de recursos petrolíferos que acompanham a modernização da infraestrutura da África, o que atrai vários desses países para fazer acordos com o gigante asiático. É por isso que o futuro plano para instalar empresas chinesas é truncado pelos conflitos permanentes desencadeados.

A "comunidade internacional" reconheceu em tempo recorde a independência do Sudão do Sul, sufocando os investimentos chineses. Por sua vez, o gigante asiático, devido à importância geoestratégica desta região, também avançou na instalação de bases militares muito importantes na Eritréia e Djibuti, empregando 5.000 soldados chineses.

Além disso, outros poderes têm interesses militares na região, como a Rússia com a venda de armas para Al Bashir, ou Egito e Etiópia na disputa sobre a região do Nilo Azul, fonte de água e capacidade de gerar eletricidade com o projeto da Grande Represa do Renascimento Etíope. Até mesmo Israel é vendedor de armas para o Sudão do Sul, enquanto os EUA cortam o fornecimento internacional apenas em 2018, tendo colaborado na extensão do conflito.

Rumo a uma nova primavera árabe?

As mobilizações no Sudão, assim como na Argélia, levantam um profundo questionamento desses regimes. No caso do Sudão, um regime baseado no racismo e na guerra, deixando milhões de pessoas sem acesso a água, alimentos básicos ou medicamentos afundados na miséria.

Esses processos sugerem que o fantasma da Primavera Árabe ainda atravessa a África, depois de uma onda reacionária com as guerras civis na Líbia e na Síria, o golpe no Egito e o governo da Irmandade Muçulmana na Tunísia.

O impulso de rejeitar um governo militar centrado nos chamados "homens fortes" pode infectar toda a região. Resta saber qual saída as massas alcançarão. O que está claro é que algumas das regiões mais negligenciadas pela imprensa internacional estão abalando os interesses imperialistas.




Tópicos relacionados

África   /    Internacional

Comentários

Comentar