Mundo Operário

GM SÃO CAETANO DO SUL

Sindicato tira em assembleia reunião de negociação com a empresa para reverter demissões

Nessa terça-feira 12/05 ocorreu assembleia na porta da General Motors de São Caetano do Sul, depois de a empresa enviar por correio carta de demissão a 50 trabalhadores, de 435 que estão em licença remunerada.

terça-feira 12 de maio de 2015| Edição do dia

Nessa terça-feira 12/05 ocorreu assembleia na porta da GM São Caetano do Sul, depois de a empresa enviar por correio carta de demissão a 50 trabalhadores, de 435 que estão em licença remunerada (além destes tem mais 800 em layoff, somando um total de 1250 trabalhadores fora da fábrica).

Segundo o sindicato, tanto as demissões quanto os afastamentos por licença remunerada foram feitos sem o conhecimento da entidade (dirigida pela Força Sindical) que se disse "pega de surpresa".

Algo bastante inusitado para uma central sindical burocrática aliada à ala mais reacionária da patronal, e que impulsiona abertamente junto a distintos partidos do Congresso o PL 4330 da terceirização (se aproveitando da década da terceirização operada pelo PT de Lula e Dilma).

Mas o que surpreendeu nesta assembleia da tarde foi um grupo de trabalhadores que, em meio a vaias e rojões, soltavam críticas à direção do próprio sindicato, denunciando que tal direção, que está há mais de 10 anos a frente do sindicato, não luta de fato pelos trabalhadores e seus postos de trabalho e que prefere negociar as demissões com a patronal a organizar a base dos metalúrgicos.

Esta ira dos trabalhadores contra a cumplicidade das burocracias sindicais (da qual a CUT também não escapa, por utilizar o mesmo método de passivização das bases e negociação dos ataques) está presente desde o início do ano no ABC, com a greve da Volks, dando mostras de que os trabalhadores não se resignarão a aceitar demissões e rebaixamentos salariais calados.

A situação é critica já que está programado para dia 9 de junho o retorno dos trabalhadores que estão em layoff e seu futuro é totalmente incerto. Nesta quarta-feira 13/05, está marcada uma reunião de negociação entre sindicato e empresa para rever a situação da planta.

Todos os trabalhadores devem ter seus postos de trabalho garantidos e se a patronal argumenta a queda da produção, que se partilhe as horas de trabalho entre todos os trabalhadores disponíveis, sem redução salarial, para que ninguém fique desempregado em função dos "caprichos lucrativos" da GM.




Tópicos relacionados

Indústria   /    ABC paulista   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar