Sociedade

POLÍCIA

Sete corpos são encontrados em favela do Rio de Janeiro após ação da polícia

A própria polícia abriu inquérito após a operação. Moradores da favela Complexo Salgueiro, em São Gonçalo, relatam terem visto policiais encapuzados bloqueando as ruas antes do tiroteio começar.

segunda-feira 13 de novembro| Edição do dia

Moradores retiram corpos sete corpos de área de mata da Cidade de Deus, ocupada por megaoperação da polícia, em 2016 (Luiz Ackermann / Agência O Dia)

Seis dos sete corpos já foram identificados. Tudo isso aconteceu no último sábado, 13. A justificativa era de que a polícia estava em operação contra “grupos criminosos”. A causa da morte e a hora não foram especificadas, ainda que há grandes indícios de envolvimento direto da polícia nessas mortes. Os corpos foram encontrados à 3km de um baile funk que ocorria na região.

Os meios de comunicação estão divulgando que se começou um tiroteio, mas a própria polícia divulgou que apreendeu munições, sete pistolas, cinco carregadores, uma espingarda, transmissores de rádio, estupefacientes, celulares e documentos.

A operação se deu por meio de uma unidade de elite da polícia, apoiada por três veículos blindados. Segundo a polícia, os policiais foram recebidos com uma "resistência armada por parte dos criminosos”.

Moradores relatam que a polícia abriu fogo contra uma multidão que assistia a um espetáculo público. Ao mesmo tempo, policiais acusam militares pelos disparos, que negam participação na chacina.

Não é de hoje que vemos mortos e mais mortos no Rio de Janeiro, e na maioria das vezes esses mortos aparecem depois de operações policiais. A barbárie está instaurada no Rio de Janeiro e deixa vítimas inocentes, entre ela crianças.

A polícia é racista e assassina, e as pessoas no Rio de Janeiro estão morrendo por meio de suas mãos. Se há traficantes e crime organizado o responsável é próprio estado pela sua ausência de políticas públicas. Pelo fim da polícia já!




Tópicos relacionados

Sociedade   /    Violência Policial   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar