Sociedade

JOÃO DORIA HIGIENISTA

Servidores se demitem após decreto de Dória para moradores de rua

Após Doria assinar decreto que permite a remoção de pertences dos moradores de rua, três dos quatro servidores da Coordenação de Políticas para a População em Situação de Rua pediram demissão.

terça-feira 24 de janeiro de 2017| Edição do dia

Dois dias após o decreto do prefeito João Dória (PSDB) de São Paulo, que retirou o veto à remoção dos pertences das pessoas que vivem em situação de rua na cidade. A equipe responsável pela área da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, se desfez. Três dos quatro servidores da Coordenação de Políticas para a População em Situação de Rua, entregaram seus cargos nesta segunda-feira (23).

A atitude é uma reação ao decreto publicado por Doria no último sábado (21), que permite a remoção de cobertores, colchonetes, mantas, travesseiros e barracas desmontáveis dos moradores de rua. A coordenação que foi constituída ainda sob a gestão de Fernando Haddad (PT), se demitiram ao confirmar que o decreto vai ao contrario do planejamento instituído em 2016 para o tema, em que enfatizava, por exemplo, o “respeito à dignidade” e a “proteção de direitos e bens” dos moradores.

Afim de cumprir com as promessas de limpeza da cidade de São Paulo, torna-se claro que a gestão higienista de Doria passará por cima de qualquer empecilho para que consiga maquiar e esconder as problemáticas que cada vez mais se agravam, e que para ele, criam novas possibilidades para camuflar e esconder.




Tópicos relacionados

moradores de rua   /    João Doria   /    Sociedade

Comentários

Comentar