Política

ELEIÇÕES EM SÃO PAULO

Russomanno lidera em SP, e Lava Jato quer arbitrar nas eleições municipais

Pesquisa apontou insatisfação dos eleitores e decisões no judiciário podem complicar ainda mais as eleições na cidade mais rica do país.

Allan Costa

Militante do Grupo de Negros Quilombo Vermelho - Luta negra anticapitalista

quarta-feira 22 de junho de 2016| Edição do dia

O resultado da pesquisa Ibope divulgada na última terça-feira (21) aponta que Celso Russomanno (PRB) parece estar largando na frente na corrida eleitoral para a prefeitura da cidade de São Paulo, as instabilidades políticas do país, porém, podem jogar um balde de água fria no ímpeto do candidato. Se é verdade que ainda é uma pesquisa de opinião bastante inicial, outros números divulgados por ela parecem apontar para um cenário de desgaste do atual prefeito da cidade, Fernando Haddad e ainda demonstram a falta de representatividade destes candidatos como uma alternativa política para a população.

A pesquisa foi realizada de 16 a 19 de Junho com pouco mais de 600 entrevistados, sendo que 26% deles responderam pretender votar em Celso Russomanno, na sequência aparecem tecnicamente empatados Marta Suplicy do PMDB (10%), Luiza Erundina do PSOL (8%) e o atual prefeito Fernando Haddad do PT (7%).

Porém, a candidatura de Russomanno é ameaçada por conta da Lei da Ficha Limpa, uma vez que o candidato do PRB tem contra sí um processo no STF onde o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, já declarou ser a favor de sua condenação por desvio de verbas públicas para pagar uma funcionária particular. Ontem (21) o jornal O Valor colocou ainda mais dúvidas sobre a candidatura ao divulgar que Pedro Correa (ex-deputado e presidente do PP no período em que Russomanno era filiado ao partido) fez delação contra o candidato na Operação Lava Jato, acusando-o de ser um dos beneficiados no esquema do Mensalão.

O clima e as disputas da conjuntura nacional pós golpe, principalmente no judiciário, continuam atuando como um fator que pode ser determinante para as eleições municipais. Para que a candidatura de Russomanno seja inviabilizada basta que uma das condenações sobre esses processos saia antes do prazo limite para a campanha eleitoral em Agosto. Recentemente, outra delação, dessa vez de Sérgio Machado, colocou uma das candidaturas à prefeitura de São Paulo em risco, Gabriel Chalita, que havia deixado a secretaria de educação de Haddad como principal candidato à vice na chapa com o petista, foi citado num esquema de propina para sua campanha eleitoral em 2012 que envolvia o próprio presidente golpista Michel Temer. Longe de representar um combate verdadeiro à corrupção, a Lava Jato e o judiciário vêm mostrando, na verdade, que as disputas pelo poder e a necessidade de "limpar a cara do golpe" no Brasil é que podem definir essas eleições, com o judiciário arbitrando nos rumos das eleições municipais.

Enquanto isso, a mesma pesquisa Ibope que apontou Russomanno à frente das intenções, também apontou que a mesma quantidade (26%) dos entrevistados disseram que pretendem votar branco ou nulo, e mais da metade dos 602 entrevistados não souberam responder em quem votariam. Demonstrando que na realidade a grande maioria dos entrevistados não demonstrou simpatia por nenhuma das opções de candidatos.

Já a rejeição aos candidatos é notória, sendo o prefeito petista Fernando Haddad o campeão com 73% de rejeição à sua gestão e 46% de rejeição à sua candidatura. Marta Suplicy tem 42% de rejeição, seguida pelo homofóbico e reacionário pastor Marco Feliciano com 31% e 29% de rejeição para Luiza Erundina. Celso Russomanno aparece com 22% de rejeição, muito perto dos 26% de intenções de voto que ele mesmo tem.

Os resultados dessa pesquisa inicial não são nada bons para Fernando Haddad, a postura higienista do prefeito frente às recentes mortes de moradores de rua no frio da cidade, com a política há muito tempo praticada de mandar sua Guarda Civil Metropolitana recolher colchões, cobertores e até documentos pessoais dos sem teto, fez com que a queda em sua popularidade fosse inevitável. Apesar do verniz "gourmet" no tratamento da estrutura da cidade com projetos como as ciclofaixas, faixas exclusivas para ônibus e mudanças no trânsito, os últimos acontecimentos com relação os moradores de rua, faz cair a mascara gourmet.

Para o PT, por sua vez Haddad pode ser uma figura para o pais, uma vez que ter em suas mãos a prefeitura da cidade economicamente mais importante do país seria fundamental para terem peso nas outras eleições municipais pelo pais. Por outro lado, para Celso Russomanno, a história das últimas eleições mostra que resultados iniciais podem não significar muito, uma vez que existe o peso de se a burguesia vai ou não estar disposta arriscar seus interesses num candidato incerto e fora dos grandes partidos da ordem (PMDB, PT, PSDB) com quem tem mais influência.




Tópicos relacionados

Eleições São Paulo   /    Operação Lava Jato   /    São Paulo (capital)   /    Política

Comentários

Comentar