Internacional

SÍRIA

Reunião do G7: pressão sobre a Rússia para que abandone Bashar Al Assad

O encontro reúne ministros dos sete países mais industrializados do mundo, gira em torno da crise na Síria, que intensificou na semana passada após o ataque químico por parte do regime e a resposta americana ao bombardeio com mais de 50 mísseis.

terça-feira 11 de abril de 2017| Edição do dia

Ministros e representantes dos Assuntos Externos dos países do G7 se reúnem de segunda-feira a terça-feira na cidade italiana de Lucca. A conferência servirá como preparação para a cúpula do G7 de maio na cidade siciliana de Taormina.

Na cúpula, representantes dos sete países mais ricos tentaram pressionar a Rússia a romper seus laços com o presidente sírio, Bashar Al-Assad, após o ataque químico na última terça-feira em que mais de 80 pessoas morreram.

A reunião contou com a presença do ministro das Relações Exteriores da Itália, Angelino Alfano; o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson; O ministro do exterior da Alemanha, Sigmar Gabriel. Também o ministro do exterior da França, Jean Marc Ayrault; Reino Unido, Boris Johnson; do Japão, Fumio Kishida; e no Canadá, Chrystia Freeland; e Alto Representante da UE para os Negócios Estrangeiros, da Itália Federica Mogherini.

A Síria é um dos pontos-chave incluídos do programa, especialmente após o recente ataque aéreo dos EUA contra a base de Shayrat na cidade síria de Homs, após o uso de armas químicas pelo regime de Bashar al-Assad.

Tanto é assim que o Ministro do Interior italiano convidou os seus homólogos da Turquia, árabe, Arábia Saudita, Jordânia e Qatar Emirates para realizar uma reunião paralela a ser realizada nesta terça-feira de manhã. A decisão de organizar esta sessão foi tomada pelo chefe da diplomacia italiana em consenso com os seus homólogos da Alemanha, Sigmar Gabriel, Reino Unido, Boris Johnson, e da França, Jean-Marc Ayrault.

Boris Johnson, secretário do Exterior britânico disse através de sua conta no Twitter que "o apoio da Rússia concentra conversas Al Assad" dessas sessões.
"O que estamos tentando fazer é dar a Rex Tillerson, (Secretário de Estado), o mais claro mandato possível e o Ocidente, Reino Unido, todos os nossos aliados estão aqui, para dizer aos russos, “escolhem: se permanecem com aquele cara, um tirano, ou trabalha com a gente para encontrar uma solução melhor ", disse Johnson após reunião com Tillerson.

Por sua parte, Tillerson disse que seu país vai pedir responsabilidades a quem causar "danos a pessoas inocentes em qualquer lugar do mundo." Ele acrescentou que "a Rússia estava empenhada em garantir que os arsenais químicos sírios fossem destruídos. Mas não fez e isso permitiu que o ataque".

Enquanto isso, a Rússia rejeitou acusações de que Assad tem usado armas químicas contra seu próprio povo e disse que não vai cortar seus laços com o presidente sírio. "voltar às ‘pseudotentativas para resolver a crise, repetindo mantras que Assad deve renunciar não pode ajudar a melhorar as coisas", o presidente porta-voz russo Vladimir Putin, Dmitry Peskov, disse nesta segunda-feira.

Ministros também reuniram-se a portas fechadas no Palácio Ducal, que implantou uma grande operação de segurança com agentes e policiais, militares e membros da unidade anti-terrorista.

Além da crise na Síria, os chanceleres também vão discutir a instabilidade na Líbia, a intenção norte-coreana para desenvolver seu programa nuclear e de mísseis balísticos, as relações com a Rússia e a crise na Ucrânia.

Em menor medida, embora presente, as questões relativas à situação na plena integração do Iraque e do Irã na comunidade internacional serão estudados.




Tópicos relacionados

Síria   /    Internacional

Comentários

Comentar