Gênero e sexualidade

CAMPANHA MACHISTA

Repúdio à “piada” machista de Piñera no Chile

Distintas organizações repudiaram o comentário machista do candidato Sebastian Piñera em ato de campanha no Chile.

quarta-feira 21 de junho| Edição do dia

“Bem meninos, eu só sugeri um jogo muito divertido: é muito simples, todas as mulheres se jogam no chão e fingem de mortas, e todos nós descansamos em cima e nos fazemos de vivos.”

Com esta “piada” o ex-presidente e candidato presidencial Sebastián Piñera, encerrou um ato de campanha realizado no fim de semana em Linares, uma cidade ao sul de Santiago.

O comentário de Piñera gerou a indignação e repúdio imediato nas redes sociais. Porém, para o diário El Mercurio, só se tratou de palavras “desafortunadas”. Nada disso. É o que eles pensam.

Recordemos que no ano de 2011, sendo presidente, ele se manifestou no mesmo sentido, quando contou “uma piada”: “Sabe você qual é a diferença entre um político e uma dama? Quando um político diz que “sim” quer decidir “talvez”, quando diz “talvez” quer dizer “não” e quando diz que “não”, não é político. Quando uma dama diz que “não” quer dizer “talvez”, quando diz “talvez” quer dizer que “sim”, quando diz que “sim” não é uma dama”.

Repúdio generalizado

Distintas organizações pelos direitos das mulheres e feministas rechaçaram a piada misógina e machista de Piñera.

A Corporação pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos (Miles) rechaçou a piada de Piñera, criticando “usar sua tribuna para emitir piadas misóginas e machistas que não podem ter espaço em nossa sociedade”. A diretora Claudia Dides indicou que Piñera deve pedir desculpas públicas.

A Rede Chilena contra a Violência as Mulheres apontou que “Sebastián Piñera agride todas as mulheres chilenas, e faz como sempre, como o homem egocêntrico e misógino que é”. Denunciam, entre outras coisas, que já ocorreram 37 feminicídios até agora em 2017.

O Observatório contra o Assédio das Ruas, OCAL em espanhol, denunciou a ofensiva da “piada” de Piñera.

Bárbara, Brito, vice-presidenta da Federação de Estudantes do Chile e militante da agrupação feminista Pão e Rosas Teresa Flores disse que “todos os dias se mostra onde estão os responsáveis pela violência machista: no Estado, os empresários e seus políticos”.

Enquanto que a agrupação feminista e socialista Pão e Rosas Teresa Flores, manifestou “seu mais profundo rechaço aos dizeres de Piñera que naturaliza e promove a violência machista”.

Quando milhares de mulheres são abusadas, violentadas e assediadas a cada ano, a posição de Piñera não faz mais que favorecer um clima que permite que se perpetue estes abusos inaceitáveis.

Tradução: Douglas Silva




Tópicos relacionados

Feminismo   /    Machismo   /    Chile   /    Gênero e sexualidade   /    Internacional

Comentários

Comentar