Economia

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Reforma da Previdência: Existe de fato um déficit como o Governo Temer afirma?

quarta-feira 11 de outubro| Edição do dia

O governo golpista de Temer tenta novamente aprovar a Reforma da Previdência e para isso divulgou dados inferiores aos 700 bilhões de reais arrecadados em 2015, tentando justificar um déficit na arrecadação e convencer a população sobre a necessidade da implementação desta medida. O governo declarou que há uma arrecadação de 30,3 bilhões de reais e gastos com benefícios por volta de 47,3 bilhões, o que justificaria a urgência na aprovação da Reforma da Previdência.

O ponto chave que desmente por completo o discurso do governo Temer é que o cálculo que feito para apontar o déficit considera apenas as contribuições dos empregadores e empregados, ignorando outras fontes de arrecadação que também são destinadas para a Seguridade Social, como por exemplo, o lucro líquido das empresas, consumo de bens e serviços, sobre importações, entre outras.

Segundo Dra. Marta Gueller, sócia da Gueller e Vidutto Advocacia Previdenciária, de fato o nível de desemprego que o Brasil encara irá causar uma diminuição na arrecadação e o aumento nos gastos com benefícios. Contudo, o que o governo Temer não revela é sobre como estão sendo feitos seus cálculos para incutir na mente dos trabalhadores o ataque que é a Reforma da Previdência. Em 2015, foram arrecadados 700 bilhões de reais e os gastos foram de 688 bilhões de reais, assim, o sistema de Seguridade, incluindo saúde, assistência e previdência não foi deficitário e sim superavitário.

O argumento do governo golpista de Michel Temer é completamente falacioso, é importante que os trabalhadores se mobilizem para impedir que este ataque brutal seja aplicado, e também exigir que a Reforma Trabalhista seja anulada. O governo de Temer, vem se colocado firme e à disposição dos patrões para aplicar estes ataques, precarizando os postos de trabalho ainda mais e fazendo com que a população brasileira trabalhe até morrer.




Tópicos relacionados

Reforma da Previdência   /    Governo Temer   /    Michel Temer   /    Economia

Comentários

Comentar