Sociedade

CARNAVAL EM SP

Quase 700 prisões, a política de segurança de Dória escancara seu caráter repressivo

Entre os dias 22 e 23 de fevereiro foram 684 prisões e 78.708 pessoas abordadas.

terça-feira 25 de fevereiro| Edição do dia

O projeto “Carnaval mais seguro”, de João Dória, conta com o aparato de 24 mil policiais nas ruas do Estado e foi responsável pela prião de quase setecentas pessoas apenas no último final de semana. Os números absurdos são a representação de um governo ansioso para mostrar “serviço” custe o que custar.

Enquanto o governo Dória investe e fortalece as forças repressivas, prepara um enorme ataque aos servidores do Estado. A Reforma da Previdência estadual já foi aprovada em primeiro turno na câmara e teve a votação em segundo turno adiada para o dia 03 de março.

Pode te interessar: A Apeoesp precisa se mexer para enterrar definitivamente a reforma da previdência de Doria

A resposta do governo Dória as enormes taxas de desemprego que assolam não só o estado de São Paulo mas todo o país, são mais ataques e politicas cada vez mais repressivas. Os números do projeto de segurança pública para o carnaval, deixam claro que para fortalecer suas forças repressivas existem verbas e investimento, lembrando que a policia militar é o único segmento de servidores que não terá aumento em sua alíquota na proposta de reforma da previdência estadual, enquanto para os servidores do estado retira-se direitos e para a população reserva-se mais e mais repressão.

Quase 80 mil pessoas abordadas e quase 700 prisões, de suspeitos segundo dados da própria prefeitura. São números absurdos, a polícia vem aterrorizando o carnaval em SP e a população sofrendo com suas abordagens truculentas. A resposta a precarização colocada pelo governo é para Dória mais repressão, enquanto grande parte da população está no desemprego e os que tem emprego veem seus direitos serem atacados cada dia mais.

Não podemos esquecer que Dória dá carta branca para a atuação violenta da polícia e foi responsável pelo massacre em Paraisópolis no final do ano passado (2019). Também não podemos esquecer das ações arbitrárias da polícia, que tem se destacado ainda mais nesse período de festas nas ruas, sabemos que os mais atingidos são os jovens e os negros e negras, alvos sem filtros da PM que em prol de números e de mostrar “serviço”, abordam de forma truculenta e matam sem nenhum escrúpulo, política incentivada não só pelo governo de Dória, mas pelo governo se Witzel, Zema entre outros, em consonância a politica do governo Bolsonaro.

Veja também:

Há um ano, Doria ameaçou: "a polícia vai atirar para matar”

Professor é preso arbitrariamente, após questionar ação violenta da Polícia Militar no RJ

Carnaval de BH enfrenta censura e foliões protestam contra Zema e Bolsonaro




Tópicos relacionados

João Doria   /    Sociedade   /    violência policial

Comentários

Comentar