Educação

GREVE DOS PROFESSORES

Professores paralisaram rodovias e aeroportos

quarta-feira 29 de abril de 2015| Edição do dia

Logo cedo, cerca de 100 professores de Campinas, Sumaré, Hortolândia, Valinhos e Vinhedo, paralisaram no início da manhã todas as pistas da rodovia Campinas-Monte-Mor, terminando em ato em frente à Bosch. Em outra região da cidade, um grupo de professores paralisou a avenida John Boyd Dunlop. Segundo Danilo Magrão, professor presente no local, “já são 48 dias de greve, e os professores da região seguem firmes apesar da truculência do governador. Enquanto não negociar, seguiremos nas ruas”.

Cerca de 100 professores de Marília, Bauru e Assis paralisaram a BR 153 nessa manhã. Breno Cacossi, professor que esteve no local, disse que “vamos seguir paralisando as rodovias por todo o interior se Hermann e Alckmin não atenderem nossas reivindicações”.

Marília

Na grande São Paulo, mais de 100 professores de Jundiaí, Oeste Lapa e Franco da Rocha, paralisaram o Rodoanel em Perus. Segundo Mayra Di Matteo, professora da Oeste Lapa, “estiveram presentes professores de diversas regiões paralisando o rodoanel agora cedo, e amanhã seremos milhares novamente nas ruas de SP para dizer que a greve segue”.

Rodoanel

No aeroporto de Guarulhos, cerca de 250 professores de Guarulhos, Zona Norte, São Miguel e Itaim adentraram em ato e depois paralisaram a avenida que dá acesso ao terminal. Segundo Márcio Barbio, integrante do Professores Pela Base e diretor da
Oposição Alternativa na Apeoesp, “a disposição dos comandos de greve em diversas regiões é a mesma: seguiremos até existir propostas concretas. Se não negociar, São Paulo vai parar”.

Guarulhos

O movimento Professores Pela Base esteve presente em todas estas ações junto a centenas de professores, que seguem uma greve heroica de quase 50 dias.

Da Redação.




Tópicos relacionados

Educação

Comentários

Comentar