Política

RIO GRANDE DO SUL

Professores gaúchos passarão as festas à pão e água

quarta-feira 25 de dezembro de 2019| Edição do dia

Com salários congelados desde 2015 e com ele 30% mais magro, além de não receberem em dia há 4 anos, trabalhadores da educação do RS que fizeram greve contra o draconiano pacote de Eduardo Leite, terão o ponto cortado. Não é exagero que o cenário erguido por Leite é de fome para muitas famílias de professores e funcionários de escola nesses últimos dias do ano.

O "bom velhinho que sempre vem" como diz a música, não passará para os filhos dos educadores gaúchos, que se humilham aceitando a solidariedade de algum parente ou vizinho. Veremos professores vendendo água ou qualquer coisa na sinaleira? Certamente.

Enquanto isso bilhões seguem sonegados por grandes empresários gaúchos. O governo do Estado alinhado com Bolsonaro, descarrega a crise dos capitalistas sobre as costas dos servidores, mas também os trabalhadores do setor privado já sentem e muito com o desemprego, subemprego e precarização, como a Prefeitura de Porto Alegre que junto dos empresários do transporte, quer extinguir os cobradores de ônibus.

Diante de todos esses ataques há saída? Qual? A resposta vem com força dos nossos vizinhos Equador, Bolívia e Chile, e mais recentemente da França! Onde os trabalhadores lutam contra a reforma da previdência de Macron. Mas não lutam com mera pressão parlamentar, enchendo a caixa de email dos deputados, acreditando nos representantes da burguesia, como tem feito as direções sindicais do PT/PCdoB aqui no Brasil. Os Chilenos assim como os trabalhadores Franceses lutam apostando na unidade de amplos setores da classe trabalhadora nas ruas junto da juventude, superando os métodos burocráticos das centrais e direcões sindicais.

Façamos como os chilenos e os franceses e passemos a acreditar apenas nas nossas próprias forças, pois já fomos enganados e traídos primeiro pelos políticos burgueses, depois pelo judiciário, e também pelas próprias centrais sindicais e direções sindicais. Somente métodos classistas da base da classe trabalhadora podem fazer com que sejam os capitalistas a pagarem por essa crise criada por eles mesmos.




Tópicos relacionados

Porto Alegre   /    Caxias do Sul   /    Política

Comentários

Comentar