Educação

Dia D e BNCC

Professores boicotam o dia D e divulgam posições contra a BNCC

Boicote de professores e cartas de repúdio ao dia D e à BNCC no Estado de São Paulo. Acompanhe fotos e notícias, e mande as da sua escola para o Esquerda Diário

quinta-feira 2 de agosto| Edição do dia

De forma demagógica o governo criou um dia de debate nas escolas sobre a proposta da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), chamado de "dia D" (02/08). Veja mais aqui. Boa parte dos professores está interpretando este dia como uma farsa, uma forma de tentar passar um verniz democrático numa medida autoritária, primeiro porque os professores não possuem nenhum direito deliberativo, é apenas uma consulta, segundo porque o questionário não permite aprofundar nenhuma posição acerca da BNCC, terceiro porque foi organizado de forma fragmentada em meio a um dia letivo comum, de modo que dificilmente haverá tempo para realizar um debate tão extenso e importante de forma coletiva entre os professores. Mediante a isso, em boa parte das escolas, os professores estão decidindo por não preencher o formulário, e em redigir o próprio texto com a posição em relação à BNCC.

Sabendo do repúdio dos professores, e para tentar salvar o dia D e abafar as críticas dos professores em algumas Diretorias de Ensino e escolas houve um movimento de dirigentes e supervisores de não realizarem o dia D já com medo do boicote dos professores. O Secretário de Educação faz hoje uma reunião com grêmios das escolas sobre a BNCC e a Reforma do Ensino Médio, dirigentes declararam que os grêmios nos quais há "movimento político" não foram convidados.

Muitos informes estão chegando a todo momento, mas são exemplos de escolas que já aderiram ao boicote ao formulário do dia D e que farão cartas de repúdio na grande São Paulo: Cepav, Gustavo Barroso, Padre Vieira, Salvador Moreno, Capitão, Salim, Ana Siqueira, Francisco D’Amico, Lauro Travassos, Bento da Rocha, Dogival, Thiago Alberione, Mourão, Andronico de Melo, Clotilde Peluso, Sólon Borges dos Reis, Lourival Gomes Machado.
Na região de Marília: Oracina Correa, Ermelinda C. Sanches, Antonio de Baptista, Wanda Helena, Monsenhor Bicudo, Bento de Abreu, José Bonifácio do Couto.
Na região de Campinas: Barnabé, Prof Paulo Mangabeira, Claudia Francisco da Silva, 31 de março, Eliseu Narcisio, Cotomacci.

Para dar voz à base da categoria, compartilhamos algumas destas posições e fotos críticas à BNCC:

Para dar voz à base dos professores, o Esquerda Diário chama: Professor, envie também sua posição textos e fotos dos professores, alunos e comunidade de sua escola para publicarmos.

Saiba mais:

2 de agosto: A farsa do "dia D" como armadilha para atacar a educação pública

O que aponta a nova Base Curricular do MEC?
Para onde aponta a Base Nacional Comum Curricular para o Ensino Médio?

Evaldo Piolli, Prof. da UNICAMP, fala sobre a reforma do Ensino Médio

Por que os sindicatos da educação não lutam contra a BNCC e a Reforma do Ensino Médio?

Audiência pública da BNCC do Ensino Médio é cancelada em SP devido à protesto de professores e estudantes

Temer quer impor nova base curricular para implementar excludente reforma do Ensino Médio




Tópicos relacionados

Base Nacional Comum Curricular (BNCC)   /    Crise na Educação   /    Professores São Paulo   /    Reforma do Ensino Médio   /    Educação   /    Educação   /    Professores

Comentários

Comentar