Internacional

Exploração do trabalho

Professor morre revisando provas: não é heroísmo, é exploração

Viral se tornou a imagem de um professor nos Estados Unidos que passava seus últimos minutos de vida revisando provas para seus alunos. É a face mais crua da exploração capitalista no coração do imperialismo mundial.

quinta-feira 24 de dezembro de 2020| Edição do dia

Recentemente, a foto de Alejandro Navarro, professor nos Estados Unidos que passou as últimas horas de sua vida revisando provas, se tornou viral. A filha, que também é professora, diz “ficamos tantas horas extras trabalhando, horas que muitos não percebem. Mesmo em uma pandemia, mesmo em uma crise sanitária, os professores se preocupam em cumprir suas funções”, e termina por fazer um chamado a não naturalizar o trabalho fora do horário de trabalho.

Enquanto a mídia norte-americana é encorajada a escrever sobre "o professor devotado" que morreu fazendo um trabalho duro, esta é a situação de centenas de milhares de professores em todo o mundo neste exato momento.

Desde o Chile, Gabriel Muñoz, professor e candidato constituinte do 9º distrito, em conversa com La Izquierda Diario nos diz: “É uma situação terrível o que esta notícia nos mostra, é o que milhares de professores e professores em todo o Chile vivem todos os dias. Os trabalhadores de saúde começaram a adoecer e morrer por causa do COVID-19, o governo aplaudia-os, enquanto os estabelecimentos de saúde pública faltavam suprimentos até para a sua própria integridade. Agora colocam um professor que morre a trabalhar como herói, e a situação de muitos colegas é de precariedade e sobrecarga de trabalho ”.

Por último, acrescenta que “temos de acabar com esta situação. Isto não é uma demonstração de heroísmo, é a face mais crua da exploração de quem trabalha na educação, enquanto os seus empresários enchem os bolsos”.




Tópicos relacionados

exploração   /    precarização   /    Professores   /    Internacional

Comentários

Comentar