Sociedade

CAOS CARCERÁRIO

Presídios máquina assassina: uma pessoa morre por dia no Brasil

Em 2016 ao menos 372 pessoas foram assassinadas nos presídios no Brasil, configurando uma verdadeira máquina de assassinatos. Onde a grande maioria são negros e milhares sequer foram julgados, é assim que o Estado configura um sistema racista, assassino onde algumas empresas privadas lucram administrando os presídios. Enquanto corta verbas para educação.

quinta-feira 5 de janeiro| Edição do dia

Com uma população carcerária acima de 600 mil pessoas a taxa de assassinato nas prisões é de 58 para cada 100 mil, superando a taxa dos Estados mais violentos do país, como Sergipe, onde a margem de homicídio doloso fica em 53,3 para cada 100 mil pessoas. Mais da metade desses crimes ocorrem no Nordeste do pais.

O Ceará lidera o ranking, com 48 assassinatos, para o governo cearense o problema ocorre pela superlotação dos presídios. Problema conhecido no Brasil, onde o governo lida com a criminalidade reprimindo e assassinando, ou “jogando” a população para o encarceramento, e por outro lado não se investe em educação e lazer. Com os cortes do governo Temer esse problema deve se intensificar, piorando a qualidade e acesso a educação, somado a crise econômica e o desemprego.

O segundo lugar no ranking é a região Norte, com 78 assassinatos, a maior parte no Pará (24). O único Estado que não apresentou mortes foi o Espírito Santo, seguido de Sergipe com 2 mortos, Amapá (3) e Mato Grosso (4). O Piauí teve 16 assassinatos, o Estado tem uma das maiores populações carcerárias do país, cerca de 3 mil presos. Em São Paulo foram 21 mortos em 2015.

O presidente da OAB, Claudio Lamachia, afirma que o sistema prisional “esta em colapso”, “é preciso investir na construção de presídios regionalizados, menores, onde há um maior controle. E na região de onde vem o preso, para ficar perto da família e facilitar a ressocialização” diz. A suposta solução levantada por Claudio é aumentar as prisões, ou seja, aumentar a repressão e o encarceramento da população, na maioria negra e pobre.

Isso porque o sistema carcerário é parte da violência “legitima” realizada pelo estado, que ainda geram lucro as empresas que administram os presídios, enquanto a população é apenas “jogada” nesses espaços, sem qualquer política efetiva de reabilitação por um lado, e por outro, com a piora da qualidade de vida, a o baixo investimento em educação a origem do problema não é tratada.




Tópicos relacionados

Sociedade

Comentários

Comentar