Sociedade

PRECARIZAÇÃO DA SAÚDE

Prefeito de Caxias do Sul quer fechar Postão 24h e pretende terceirizar o serviço

O prefeito Daniel Guerra (PRB), tomou a decisão de fechar o Posto de Atendimento sem consultar o Conselho Municipal de Saúde de Caxias do Sul para ser realizada obras e onde prejudicará toda a demanda de pacientes do sistema público municipal. Há ainda uma preocupação dos servidores de que a reforma seja seguida de terceirização do serviço.

terça-feira 2 de outubro| Edição do dia

Na ultima sexta-feira (28), Marlonei dos Santos, presidente do Sindicato dos Médicos de Caxias do Sul, assinou uma nota de “alerta à população” que denunciava o possível fechamento do Pronto-Atendimento 24h no centro da cidade. Segundo Morlei, o sindicato foi informado “extraoficialmente” do fechamento do serviço de urgência e emergência para o inicio das obras que tem como objetivo transformar a estrutura em Unidade de Pronto Atendimento nível III.

Neo liberal e apoiador da candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), o prefeito tomou a decisão sem consultar o Conselho Municipal de Saúde. A empresa responsável pela obra atua em todo o estado, e é a mesma que reformou o Hospital Geral, sem necessidade de interromper o atendimento.

O PA realiza cerca de 400 atendimentos diários, se o município já tem dificuldade de dar conta desta demanda, o fechamento da unidade sobrecarregaria todo o sistema. Fernanda Borkhardt, presidente do Conselho Municipal de saúde, afirma que a UPA da zona norte não tem condições de suprir esta demanda. Alexandre Avino, diretor técnico do Hospital Geral, declarou sem muitos detalhes que a instituição recebera pacientes “dentro do possível”.

São centenas de trabalhadores e trabalhadoras, crianças, jovens e idosos que ficaram desassistidos, podendo acarretar em seqüelas ou até mesmo morte de pacientes, caso a atitude do prefeito se concretize.

Há ainda uma preocupação dos servidores de que a reforma seja seguida de terceirização do serviço. O prefeito Daniel Guerra (PRB), já havia manifestado em entrevista coletiva a imprensa caxiense, ainda no ano passado, interesse em privatizar o PA.

A Secretaria Municipal de Saúde convocou uma assembléia geral com os servidores às 18h desta terça feira. A Guarda Municipal também foi convocada pelo prefeito.
O CMS convocou os conselheiros, UAB, Conselhos Municipais, movimentos comunitários e toda a população caxiense a reunir em frente ao PA24h hoje (02) as 17h para impedir o fechamento do serviço.

Ainda de manha, cerca de 50 pessoas, integrantes do CMS, sindicalistas e funcionários, adiantaram-se e se mobilizaram em frente ao PA com faixas em protesto contra o fechamento. Informações extra-oficiais de que a prefeitura estaria prestes a fazer a realocação de pacientes para liberar o prédio foi fator chave para o adiantamento da mobilização. Ainda no inicio da tarde, o “Postão” foi ocupado pelos manifestantes, apoiados pelos trabalhadores e usuarios, que retiraram as grades, dispostas pela prefeitura, que “sitiavam” o prédio. O PA segue atendendo a população e continuara ocupado pelos manifestantes por tempo indeterminado.

Durante o governo do PT, o número de terceirizados aumentou para 14 milhões, e com o Golpe Institucional aprofundou com a aprovação da terceirização irrestrita. Onde teve o aval do mesmo judiciário que aprovou o aumento de seus próprios salários. Carmen Lucia, que votou a favor deste absurdo, votou contra todas as mulheres trabalhadoras, principalmente as mulheres negras, que sofrem ainda mais com o avanço da terceirização.

A terceirização significa menos direitos e piores condições de trabalho, e este conjunto de ataques, como a reforma da Previdência que Temer não conseguiu aprovar, mas que está no projeto de todos os candidatos que buscam garantir os interesses da burguesia, e irão atacar as condições de vida dos trabalhadores.




Tópicos relacionados

precarização   /    Caxias do Sul   /    Terceirização   /    Sociedade   /    Saúde

Comentários

Comentar