Política

AUMENTO NO PREÇO DO GÁS

Preço do gás dispara e aumenta número de revendas clandestinas em SP

Sete pessoas foram presas no mês de dezembro pela prática de revenda ilegal.

terça-feira 9 de janeiro| Edição do dia

As informações foram prestadas pelo presidente do Sergás, sindicato patronal que representa as empresas do setor de revenda de gás em São Paulo, que afirmou que o aumento do número de revendas sem pontos fixos, oferecendo o produto em carros e motos está diretamente ligado ao aumento do preço dos botijões de gás.

Estas revendas clandestinas não atendem a diversas exigências que os estabelecimentos regulares têm de cumprir e por isso revendem o botijão de gás a um preço mais barato que o cobrado nestes estabelecimentos. Ainda segundo o presidente da Sergás houve um aumento de pelo menos 30% na prática clandestina desde a alta dos preços, os revendedores clandestinos compram dezenas de botijões de uma vez com desconto nas distribuidoras e os revendem ao consumidor por valor menor que o praticado nas revendas legais.

No mês de dezembro sete pessoas chegaram a ser presas na cidade de Amparo pela prática. Foram apreendidos 600 botijões pois os revendedores não tinham autorização da ANP (Agência Nacional do Petróleo).

O preço do botijão de gás teve a maior alta em 15 anos após a Petrobras iniciar uma nova política de reajuste que acompanha mais de perto as cotações praticadas internacionalmente. Descontando a inflação o aumento foi de 16,39% para R$ 66,53 segundo a ANP.

No meio desta situação a população e os trabalhadores são os maiores prejudicados tanto por estarem expostos ao risco de comprarem botijões clandestinos que oferecem risco de morte, com possibilidade de explosões e incêndios, mas também pelo preço altíssimo que está sendo praticado e que nem de longe condiz com a realidade dos salários da maioria das famílias brasileiras.

Todo trabalhador tem o direito de receber um salário digno que possa suprir suas necessidades e despesas e de sua família e não apenas um salário mínimo de R$ 937,00 que mal dá para sobreviver. Enquanto os grandes escândalos de corrupção que atingiram a Petrobras refletem diretamente na vida de milhões de trabalhadores, seguem impunes os políticos privilegiados que são também os responsáveis por votar as reformas que retiram nossos direitos.




Tópicos relacionados

Política

Comentários

Comentar