Política

DECLARAÇÃO

Precisamos urgente de uma nova greve geral até derrubar as reformas e Temer

Declaração de Diana Assunção, dirigente do MRT organização que impulsiona o Esquerda Diário, minutos depois do novo escândalo contra Temer e Aécio

Diana Assunção

São Paulo | @dianaassuncaoED

quarta-feira 17 de maio| Edição do dia

Delação da JBS, aceita por Fachin e pelo Ministério Público comprovam o que todos brasileiros sabem. Temer não é só um inimigo de nossos direitos querendo atacar a aposentadoria, direitos trabalhistas, a saúde e a educação. É um corrupto. A notícia é bombástica e cada vez mais aumenta a pressão para que Temer não se mantenha no cargo, vinda por baixo e por cima. Os trabalhadores precisamos aproveitar essa crise para derrubar não somente o presidente golpista como para derrotar completamente todas suas medidas.

É urgente tomar as ruas em todo o país, sem dar um minuto para o governo respirar e aprofundar a exigência para que urgentemente as centrais sindicais marquem uma nova data de greve geral. Uma greve geral que seja preparada para lutar consequentemente até derrubar as reformas e Temer. O judiciário, a mídia, podem mudar de posição e começar a atuar para se livrar de Temer. Porém, aplaudem e defendem seu legado. Precisamos com nossa luta unir os dois objetivos. A entrada em cena dos trabalhadores pode derrubar o governo e derrubar a reforma trabalhista e da previdência.

Os próximos dias são decisivos para vencer nossa luta contra o governo golpista e seus ataques. Não podemos esperar o dia 24 para ocupar as ruas em todo o país, como já vem sendo convocadas várias manifestações, inclusive uma espontânea em São Paulo essa noite na Av. Paulista. Vamos num crescendo até o dia 24, fazendo desse dia um novo marco com uma massiva Ocupação de Brasília.

Para organizar essa ofensiva, precisamos tomar em nossas mãos essa luta, com cada trabalhador e jovem assumindo para si a tarefa de organizar comitês em cada local de trabalho e a ida massiva a capital do país, como parte de um plano para a derrubada de todas essas medidas.

O que deve vir a partir da derrubada de Temer? Não podemos aceitar eleição indireta e Rodrigo Maia na presidência. Também não consideramos que resolve o problema do país eleições diretas sem mudar as regras do jogo. Uma forte mobilização de massa pode e deve impor eleições, mas que sejam para representantes em uma Constituinte, livre e soberana, que revogue todas as medidas do governo golpista, mas também os ataques que os governos de Dilma, Lula e FHC votaram. São os capitalistas que devem pagar pela crise, com o não pagamento da dívida, estatização sob controle dos trabalhadores das empresas criminosamente privatizadas. Em uma nova Constituinte podemos dar uma resposta aos privilégios e desmandos dos políticos e do judiciário que tem avançando na repressão aos direitos de manifestação e greve. Em uma nova Constituinte podemos impor que todo caso de corrupção seja julgado por juris populares para impedir a impunidade, impor que todos cargos sejam elegíveis e revogáveis, inclusive o de juiz e que todos ganhem o mesmo que uma professora.

Para nós, anticapitalistas e revolucionários do MRT, uma Constituinte como essa é parte da batalha para que os trabalhadores vejam a necessidade de superar o capitalismo e impor um governo operário de ruptura com o capitalismo.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Política

Comentários

Comentar