Gênero e sexualidade

CAMPINAS

Porque as mulheres de Campinas vão e devem paralisar neste 28A?

Assim como no 15 e no 31M a força das mulheres se faz fundamental na luta contra os ataques de Temer e de todos os golpistas. As mulheres de Campinas dão exemplo!

Grazieli Rodrigues

Professora da rede municipal de São Paulo

terça-feira 25 de abril de 2017| Edição do dia

Nos últimos meses os trabalhadores e trabalhadoras, junto a juventude e todas as minorias oprimidas têm travado grandes batalhas contra os ataques de Temer e dos golpistas aos direitos que nossa classe conquistou com muita luta e que agora querem nos retirar. E é nesse cenário de reformas absurdas que temos de nos perguntar: porque nós mulheres vamos parar no 28A e temos de ser a linha de frente desse combate?

Vamos parar porque somos nós que enfrentamos cotidianamente o machismo e sabemos como o Estado e os patrões o utilizam como justificativa para que ocupemos os postos de trabalho mais precários, onde somos mal remuneradas e chegamos a receber salários três vezes menores que os trabalhadores homens quando realizam a mesma função, além de imporem a nós duplas e triplas jornadas de trabalho e a maioria dos postos de trabalho terceirizados.

Com as reformas querem igualar o tempo de contribuição de homens e mulheres para a aposentadoria, isso sem jamais terem igualado nossos salários, enquanto também em casa trabalhamos sem remuneração, onde somos nós quem lavamos, passamos, cozinhamos e ainda cuidamos dos filhos. Além disso já impuseram a terceirização irrestrita e sabemos que nesse país a terceirização tem rosto de mulher e de mulher negra e pobre, sendo essa ampliação a via de imposição para nós e pra toda classe trabalhadora desses postos terceirizados como única alternativa para trabalhar e sobreviver.

As reformas pesam na carne feminina e por isso nesse 28A temos que dar exemplos de nossa força e sermos linha de frente, paralisando os nossos locais de trabalho e estudo em busca da construção de uma efetiva greve geral discutida com o conjunto dos nossos colegas! Não aceitamos seguir sendo exploradas, terceirizadas e oprimidas!

Nós mulheres demos demonstrações brutais de força e coragem quando nos enfrentamos com a Câmara dos vereadores reacionária de Campinas e com o Prefeito Jonas Donizetti que tentaram vetar o debate de gênero nas escolas e com que ocupamos as ruas de Campinas para gritar que o machismo mata, repudiando o feminicídio de Isamara e mais recentemente também rechaçando o crime cometido contra a vida de Jamily. Além de saber que fomos nós mulheres que no 8M paralisamos nossos locais de trabalho contra o machismo e nos dias 15 e 31 de março ocupamos parte fundamental das fileiras de trabalhadores que se levantaram contra os ataques e é com esse espírito que queremos olhar para esse 28A, nos somando aos diversos setores paralisados para darmos o primeiro passo rumo a uma verdadeira greve geral em que nós consigamos derrubar todos os ataques e o golpista Temer para abrir espaço para uma resposta aos problemas nacionais dada pelas mulheres e toda a classe trabalhadora!

Vamos paralisar nesse 28Apara que nenhuma reforma passe e nenhum ataque siga sob nós mulheres ou sob a classe trabalhadora!




Tópicos relacionados

Reforma da Previdência   /    Reforma Trabalhista   /    Campinas   /    Gênero e sexualidade   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar