Internacional

REBELIÃO NO CHILE

Piñera convoca o Conselho de Segurança da ditadura e redobra a repressão

Em coletiva de imprensa, Piñera anunciou na quinta-feira uma agenda cheia de repressão e criminalização, com novas leis, denúncias e fortalecimento da polícia. O mais brutal foi o chamado ao Conselho de Segurança Nacional da ditadura para "aconselhar" as forças armadas.

sexta-feira 8 de novembro| Edição do dia

Em uma nova coletiva de imprensa nesta quinta-feira, Sebastián Piñera, o presidente que tem a pior aprovação e o maior rechaço desde o final da ditadura no Chile, anunciou novas medidas repressivas.

Ao tentar impor um discurso de "normalidade", entregando apenas migalhas aos milhões que saíram às ruas, ele recarregou sua agenda criminalizadora contra os manifestantes, ao mesmo tempo em que fortalece a polícia, para que haja mais impunidade para os assassinos do povo. O fato mais recente, e com o qual a agenda repressiva dá um salto, foi o chamado ao Conselho de Segurança Nacional (Cosena), um organismo nascido na ditadura contra manifestações e protestos populares.

A nova agenda de Piñera, para derrotar a luta nas ruas e reprimir especialmente as dezenas de milhares de jovens que se mobilizam nas ruas desafiando a "normalidade", busca acima de tudo fortalecer a polícia e aumentar as penas contra as ruas e protestos

Vamos ver as chaves:

  • Uma lei contra os "encapuzados" e contra barricadas e desordens nas vias públicas. Não bastam as leis atuais ou violações de protocolo por parte da polícia, mas procuram fortalecer as sanções penais, mesmo com a possibilidade de sanções na prisão. Ele tenta criminalizar e reprimir o protesto social que já dura 19 dias desde o início da rebelião popular.
  • Fortalecer a apresentação de denúncias criminais nos tribunais de garantia e nos tribunais criminais, para aumentar a perseguição contra lutadores e as ferramentas punitivas do Estado.
  • A criação de uma equipe especial de polícia, polícia de investigação e promotores para investigar. Você quer recriar uma nova "CNI" na democracia, talvez? É para perseguir lutadores? Para investigar mais.
  • Aumentar a vigilância aérea das manifestações.
  • Um estatuto de proteção para a polícia, na linha de vários parlamentares de direita que queriam uma "defensoria policial", Piñera cria uma nova lei que não só irá gerar maior impunidade para a odiada polícia, mas também para perseguir suas montarias contra combatentes.
  • Modernização do sistema de inteligência, que já investigou irregularmente lutadores sociais, sindicais, estudantis e da esquerda. Eles seguirão seus espiões, montarias e perseguição? Isso que eles tentam aprofundar
  • Modernização da polícia, que envolve mais recursos estatais. Não há dinheiro para salários, pensões, saúde, educação ou moradia. Sim, há dinheiro para a repressão sobre a juventude e lutadores.
  • Também estipula prisão preventiva para aqueles que agridam os policiais, a penalização dos delitos de saque, corte de caminho com barricadas, incitação à violência ou ofensa contra policiais. Em todos esses casos, as penas são endurecidas.

Fim à repressão de jovens e combatentes. Pelo direito à manifestação. Julgamento e punição dos responsáveis. Fora Piñera

Piñera e seu partido, Chile Vamos, buscam impor "normalidade" às ​​custas da repressão, balas, gases e perseguições. Essa normalidade levou 24 mortos, quase 200 pessoas com uma perda de olho, milhares de detidos e centenas de feridos. Agora, busca aprofundar a repressão à juventude secundarista, universitária e trabalhadora. É o que vimos no Liceo 7, onde as meninas foram baleadas e gaseadas; ou os atropelos dos carros da polícia contra jovens e adultos; e as centenas de queixas que aparecem todos os dias de tortura, detenções ilegais e outros abusos.

Como vimos na quarta-feira em várias escolas de ensino médio em Puente Alto, meninas e bebês foram gaseados em suas escolas; também em hospitais com pacientes. Nas populações, eles perseguem estudantes. Devemos rejeitar a repressão e defender o direito à manifestação que Piñera quer acabar com repressão. Todas as organizações de direitos humanos, sociais e sindicais, da esquerda, devem repudiar essa repressão e essa agenda e convocar milhões nas ruas contra essa impunidade, pelo julgamento e punição dos responsáveis ​​pelas mortes, detenções, torturas e feridos, e ser milhões até que se vá este governo rechaçado.

Piñera e seu governo, distinguindo "dois tipos de manifestações", têm uma política dupla:

  • um tipo de manifestações "pacíficas" que, hipocritamente, o governo e o próprio Piñera disseram que "apoiam".
  • outras "violentas, de grupos organizados e vândalos delinquentes", como o governo os chama.

Nessa relação, ele busca dois objetivos diferentes: para as grandes massas e para as manifestações "pacíficas", tentar tranquilizá-las com concessões sociais que são puras migalhas e enganos que não resolvem os problemas fundamentais desses "30 anos" (saúde, educação, salários, pensões, habitação). São migalhas porque defendem o "modelo" herdeiro da ditadura, que é defender grandes transnacionais e grandes empresas. No segundo tipo de manifestação, reprimir brutalmente e perseguir com uma dura criminalização as e os milhares de jovens que continuam se manifestando com barricadas, ocupações, marchas e confrontos com a polícia, e que também se expressa em incêndios em grandes lojas ou sedes de partidos de direita como a UDI. É aqui que entram a tortura, o uso brutal de gás lacrimogêneo, espancamentos e detenções ilegais, e outras ferramentas.

Essa repressão, apoiada por grandes famílias e fortunas como Luksic, foi projetada na medida em que diminuíram a intensidade e magnitude das mobilizações de massa, o que permitiram uma relativa "normalidade" do país. No entanto, existem dezenas de milhares em todo o país que continuam se mobilizando em praças, colégios, escolas secundaristas, universidades e centros de treinamento técnico, bem como nas cidades, com barricadas, protestos e confrontos com a polícia.

O setor mais revoltado é uma juventude plebeia e precarizada das populações periféricas de Santiago e regiões, muitas e muitos que nunca organizaram, por exemplo, estudantes do Inacap, que mostram seu ódio e raiva contra um sistema que não tem nada a oferecer. Devemos rejeitar a repressão e, mais do que nunca, sejamos milhões nas ruas até que Piñera caia.




Tópicos relacionados

Pinochet   /    Sebastián Piñera   /    Chile   /    Repressão   /    Internacional

Comentários

Comentar