Internacional

Peru: Francisco Sagasti não nos representa! Por uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana

Francisco Sagasti representa os grandes empresários que exploram os trabalhadores e saqueiam o país. Com sua eleição à presidência, os grupos de poder buscam frear as mobilizações e oxigenar o regime político sustentado na Constituição Fujimorista de 93. Publicamos uma Declaração Política da Corrente Socialista dos Trabalhadores do Peru.

quarta-feira 18 de novembro| Edição do dia

O novo governo chefiado por Sagasti expressa o acordo entre a maioria dos grupos políticos que representam as várias facções burguesas que há muito lutam pelo controle dos poderes do Estado.

A principal motivação que tem levado estes setores a se unirem em torno da figura de Sagasti é o temor de que as mobilizações iniciadas com o questionamento a Manuel Merino alcancem maiores dimensões e impulsione a participação da classe trabalhadora, que é a mais afetados até agora pela pandemia, pelas políticas de ajuste implementadas por Vizcarra para salvaguardar os interesses dos empresários.

Por isso, e como dizem os jovens e trabalhadores que continuam a se mobilizar: o governo de Francisco Sagasti não nos representa, assim como os governos de Manuel Merino e Martinho Vizcarra não nos representam. Nesse entendimento, não lhes damos a mínima confiança e apelamos aos trabalhadores, à juventude e aos setores populares a persistirem em sua luta.

Do mesmo modo, desde a Corrente Socialista dos Trabalhadores do CST, chmamos a exigir à CGTP e a outras organizações sindicais e populares que dêem continuidade à luta iniciada pela juventude, para a qual é importante que convoquem a mobilização dos trabalhadores. e à greve geral para expulsar essa casta corrupta e profundamente antidemocrática e antipopular, pois o que está em jogo é impor, desde baixo, um processo constituinte, não adaptado às castas parasitas que lutam pelo controle do Estado, mas um processo constituinte livre e soberano para acabar com a Constituição reacionária de 1993 e o atual regime político.

Nessa luta, o jovem tem uma ótima posição de luta como vem se mostrando nas ruas nos últimos dias. Diante da brutalidade policial, que custou a vida de Inti Sotelo e Jack Bryan Pintado, é urgente promover a organização da legítima defesa e exigir a punição imediata dos responsáveis materiais ​​e ​​políticos por essas mortes, bem como o respeito ao direito de protestar e liberdades democráticas.

Para continuar essa luta, devemos promover todas as formas de auto-organização dos trabalhadores e do povo, com base na mais ampla e profunda democracia daqueles que lutam, para evitar que todos os esforços para derrubar esta constituição fujimorista sejam novamente traídos e negociado por quem hoje quer se armar na luta social, como aconteceu com a marcha dos 4 Suyos que expulsaram Fujimori mas que abriram caminho a Toledo e aos que vieram depois dele como Alan García, Ollanta Humala, PPK e Vizcarra , todos eles a serviço do capital e da corrupção promovida pelos empresários.

Para que isso não se repita, os jovens mobilizados junto com os trabalhadores e o povo devem forjar uma solução diferente hoje e a serviço da grande maioria operária. Que a energia dos jovens não seja em vão. A luta é agora, não podemos esperar até as eleições de 2021 como a esquerda reformista quer que acreditemos, pois a burguesia não vai esperar para continuar com seus planos de ajuste contra os trabalhadores.




Comentários

Comentar