Mundo Operário

CORREIOS

Para privatizar os Correios, Bolsonaro diz que poderá demitir 40 mil trabalhadores

Como forma de aprofundar o plano de privatização em favor do lucro dos grandes empresários, a privatização de mais uma empresa pública não fica de fora. Os Correios, empresa pública federal, responsável pelo envio de correspondências em todo o Brasil, interessa muito a sede de lucro dos capitalistas e com isso se assanha a sua privatização para o final de 2021.

quinta-feira 16 de janeiro| Edição do dia

Como forma de aprofundar o plano de privatização em favor do lucro dos grandes empresários, a privatização de mais uma empresa pública não fica de fora. Os Correios, empresa pública federal, responsável pelo envio de correspondências em todo o Brasil, interessa muito a sede de lucro dos capitalistas e com isso se assanha a sua privatização para o final de 2021.

Nessa quinta-feira, segundo reportagem da Folha de São Paulo, Bolsonaro afirmou ainda que essa privatização poderá ter como preço a demissão de 40 mil trabalhadores da estatal. O futuro dessas 40 mil famílias está nas mãos de Bolsonaro, que não terá pena em sacrificá-las para vender a empresa e entregar todo valor arrecadado aos cofres dos grandes bancos internacionais através do pagamento da dívida publica.

De acordo com a Folha de São Paulo, ao serem consultados pelo governo, executivos de empresas privadas afirmaram que realizariam o mesmo serviço com praticamente metade dos atuais 100mil funcionários. Tal afirmação muito diz sobre o que é a privatização: mais exploração e lucro em virtude da vida e das condições de trabalho dos trabalhadores.

Ao diminuir drasticamente os trabalhadores, as funções que estes realizavam não serão deixadas de cumprir, havendo uma sobrecarga aos outros trabalhadores, além de muitos outros impactos em virtude dessa prática comum das privatizações. Dado esse cenário, de muitos trabalhadores sem emprego, outros empregados e sobrecarregados, as consequências da privatização são condições mais precárias e que consomem mais a vitalidade do trabalhador a um preço mais barato as empresas.

Mais uma das falas intencionais do Bolsonaro “cai por terra”. Durante as eleições, Bolsonaro repetia diariamente que uma de suas promessas era gerar milhões de empregos. Porém, sob seu governo, os capitalistas têm tido terreno livre para atuar com sua ganância, ocasionando grandes demissões de trabalhadores, em especial na indústria, com grandes plantas, como a Ford em SP, fechando e deixando milhares de famílias nas ruas. Seu plano de privatização está levando a demissão de mais de mil funcionários de uma indústria de fertilizantes da Petrobrás perderá o emprego.

Muitas famílias se encontram desesperadas com o cenário de desemprego e precarização das condições de trabalho acarretas em virtude do enriquecimento do bolso dos banqueiros e muitos outro donos de empresa, que nada mais é do que o pagamento da fraudulenta dívida pública.

Para que esse cenário não continue a acontecer e ponha fim a assolação que muitos trabalhadores vem passando, é necessário que toda a população, junto aos trabalhadores do Correios, se organizem através de um plano de luta, que para além de defender o Correios sobre o controle dos trabalhadores, possa combater todos os interesses que os capitalistas querem impor.




Tópicos relacionados

Privatização   /    Correios   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar