Sociedade

MASSACRE NO AM

Para Temer o massacre no AM foi um “acidente” e promete mais prisões

Após 3 dias, finalmente o presidente Temer se pronunciou sobre o massacre no presidio em Manaus, preocupado apenas com os cortes nos direitos sociais, o silencio de Temer mostrou seu descaso completo com a população carcerária e suas famílias. O presidente ainda prometeu como resposta milhões para construção de novas prisões, enquanto faz ajustes que atacam os direitos da população, negando o direito a educação.

quinta-feira 5 de janeiro| Edição do dia

Finalmente o presidente golpista, Temer (PMDB) falou sobre o massacre no presidio de Manaus, pressionado por vários setores da sociedade e do governo, o presidente quebrou o silêncio nesta quinta-feira, e reforçou algumas das ações que o governo federal deverá realizar, dizendo que deve amenizar os problemas enfrentados no sistema prisional, na realidade o governo promete milhões para seguir encarcerando a população, enquanto lhe nega o direito a educação, saúde, lazer e emprego, onde está a raiz do problema.

O pronunciamento do presidente ocorreu na abertura do encontro, realizado no Palácio do Planalto, em Brasília, com representantes do núcleo institucional do governo. No início de sua fala, Temer destacou o repasse de R$ 1,2 bilhão do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) aos Estados, conforme previsto em medida provisória editada em dezembro do ano passado. Além disso, anunciou a liberação de recursos para cinco novos presídios federais.

Com os cortes nos direitos sociais, reforma da previdência, desemprego e piora da economia Temer junto ao empresariado Brasileiro promete uma situação de vida muito mais precária a população, agravando o problema de criminalidade, na medida em que não dá alternativas de vida a população. Por outro lado grande parte da população carcerária nem foi julgada, tão pouco há qualquer política efetiva de recuperação dos detentos, pelo contrario os presídios são um meio de corrupção, repressão e tortura por parte de facções e da polícia.

Dados do Departamento de Inquérito Policiais e Corregedoria da Polícia Judiciária e do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo aponta que mais de 67,7% dos encarcerados por ’’tráfico’’ de maconha foram flagrados com posse de menos 100 gramas da droga, sendo que 14% deles com a quantia inferior a 10 gramas. Grande parte desses são negros.

Por pequenos delitos e pela própria repressão do estado milhões de pessoas vivem aprisionadas sem alternativa de vida. De acordo com o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen), a população carcerária no Brasil chegou ao número de 622.202 presos. Deste número, 61,6% são negros. Explicitando uma clara política racista do Estado Brasileiro.

Mas a resposta do presidente ao problema é, “Levaremos adiante a construção de mais cinco presídios federais para lideranças de alta periculosidade. A ideia é que haja 200 vagas em cada presídio", disse Temer. "Isso vai custar de R$ 40 milhões a R$ 45 milhões por unidade. Hoje a questão da segurança pública ultrapassou os limites do Estado e gera preocupação nacional. Teremos recursos para essa matéria, sem invadir competência dos Estados. Vamos estar presentes com auxílio federal em todas essas questões."

Ele também anunciou a liberação de R$ 150 milhões para instalação de bloqueadores de celular em 30% dos presídios de cada Estado. Assim Temer promete milhões para o sistema prisional que só perpetua o problema. Enquanto um preso no Brasil custa 2400 por mês e um estudante do ensino médio custa 2.200 por ano, dinheiro que será destinado a mais prisões e que poderia ser destinado a educação, saúde e lazer.

Contudo além da política repressiva e racista do Estado, há também as empresas que administram os presídios e lucram milhões, fato que contribui ainda mais para o financiamento do estado se voltar para o enriquecimento dessas empresas ao contrario de ir para as necessidades da população.




Tópicos relacionados

Sociedade

Comentários

Comentar