Opinião

EDIÇÃO IMPRESSA

Para Temer, Imbassahy é "politicamente adequado" para assumir a Secretaria do Governo

O presidente Michel Temer disse ao Senador Tasso Jereissatti durante a sua viagem a Fortaleza que espera o momento ideal de fazer o convite ao líder tucano da Câmara, Antonio Imbassahy, para compor o governo. Em suas palavras ao senador Jereissatti ‘’Será na hora certa’’. Temer teria conversado com o tucano sobre o suposto convite.

sexta-feira 9 de dezembro de 2016| Edição do dia

A indicação do líder tucano na Câmara para a Secretaria de Governo foi negociada diretamente por Aécio com Temer. Os dois vão voltar a discutir o assunto na segunda–feira.

Por mais que Temer fale publicamente que não existe nenhum acordo com Imbassahy, ele reconheceu que existe um acordo para maior espaço do PSDB, destacando que a legenda já tem o comando de três grandes pastas. Michel Temer afirmou que é preciso costurar melhor o acordo com a base aliado para que seja encontrado o substituto de Geddel na Secretaria de Governo. Nas suas palavras “Houve um equivoco. Antes que eu fechasse a imprensa noticiou, não sei por meio de quem, mas o fato é que não estava fechada a matéria.”

Temer reconheceu que o nome de Imbassahy foi cogitado, destacando o perfil do deputado baiano e disse que recebeu a indicação ‘’com maior agrado’’. Nas suas palavras ‘’É politicamente adequado, elegante do trato’’.

Frente á imensa crise política que se encontra o atual governo, Michel Temer busca costurar um acordo com o PSDB com o objetivo dar mais espaço políticos importantes para os tucanos. Temer sabe que se ele quiser conseguir que as medidas impopulares contra os trabalhadores e demais populares passem, para assim continuar se mantendo no governo até o final do mandato, terá que contar com a ajuda dos tucanos.

Temer reconhece que o PSDB tem um histórico de atacar os trabalhadores e demais setores populares da sociedade, por isso fez o convite do líder tucano para ocupar um cargo político importante no seu governo. Caso Imbassahy aceite o cargo, Michel Temer terá mais facilidade em conquistar o apoio de um setor critico ao seu governo, para poder passar os ataques que os grandes empresários e banqueiros tanto sonham.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Opinião   /    Política

Comentários

Comentar