POESIA

[POESIA] Vermelha Primavera

A voz poética da mulher contra o ódio e a violência propagados pela extrema direita.

quarta-feira 17 de outubro| Edição do dia

Ana Mendieta, Body Tracks, 1974

Vermelha Primavera

Promessa de primavera,
corre a chuva de outubro
para chegada de novembro,
corre o vermelho rubro
na calçada,
corre a travesti em decadência violada,
corre o capoeira da peixeira,
não, não houve tempo!
morre travesti, se vai capoeira

escorre em trama salgada
a jovem lágrima,
que logo cai no pranto,
fora planejada sua queda
para assim que nasça

vi Sol lá fora
e fez calor,
só que nem Sol aguenta
essa gente toda que já foi boa,
essa gente que hoje espanca,
então volta o Sol
e se esconde, atrás de cinza nuvem
feito pique-esconde,
vai-se também o seu calor
e o frio desce o monte

a mulher que dobra esquina,
tarde, noite ou dia,
dobra a manga da blusa
caso o mal desponte,
carrega consigo,
a meretriz mulher de novos ares,
a força de todas em uma,
a união da ancestralidade

pode ser,
pode ser que a promessa
de uma vermelha primavera
seja feita por aquelas
que tem sangue, vida, morte
a escorrer entre as pernas.

Site da escritora: Vermelha Primavera




Tópicos relacionados

Feminismo   /    Mulher   /    Poesia

Comentários

Comentar