Juventude

PM INVADE UNESP

PM invade campus da Unesp-Marília para intimidar assembleia e censurar cartazes: Movimento estudantil responde com ato

Nessa noite de segunda (8) a Policia Militar entrou na Unesp-Marília enquanto ocorria Assembleia Estudantil - que discutia sobre a PM no campus - para intimidar o direito de organização dos estudantes e rasgar cartazes que criticavam a polícia. O movimento estudantil respondeu com ato contra essa ação que nos relembra a ditadura militar.

terça-feira 9 de maio| Edição do dia

Nessa noite de segunda (8) a Policia Militar invadiu com várias viaturas na Unesp-Marília enquanto ocorria uma Assembleia Estudantil - que discutia exatamente sobre o papel da PM no campus. Segundo informação dos estudantes, a PM teria rasgado faixas do movimento estudantil que criticavam ação da policia e em defesa do Rafael Braga e teria parado uma viatura em frente ao anfiteatro onde ocorria a Assembleia numa clara atitude de intimidação política, além da ameaça de prisão de estudantes e de até professores. O movimento estudantil respondeu imediatamente com um ato no campus.

É importante ressaltar que a PM nas ultimas semanas vem cada vez mais tendo o papel de intimidar a liberdade de circulação de ideias dentro da faculdade, enquadrando estudantes dentro da universidade e fazendo rondas cada vez mais constantes, algo que se intensificou desde o ato ocorrido na cidade contra as Reformas no dia 28 em que o movimento estudantil teve um importante papel. Essa atitude da Polícia Militar nos faz lembrar os períodos mais sombrios da Ditadura no qual o direito ao livre debate de ideias, o direito de se organizar e de se manifestar eram reprimidos e censurados pelo Estado.

É emblemático que esse fato ocorra exatamente contra aqueles que estão nas ruas lutando contra as Reformas da Previdência e Trabalhista num momento em que o governo e o congresso aceleram o passo para atacar direitos históricos dos trabalhadores e o futuro da juventude pobre. E não só aceleram o passo, como também intensificam uma brutal repressão policial sobre os trabalhadores e estudantes de todo o país como vimos nos atos do dia 28. É inadmissível que o direito ao livre debate de ideias, de organização e de manifestação seja cerceado com essa intimidação e repressão da polícia dentro e fora da universidade.
Vale lembrar que a Reitoria da Unesp se utiliza vergonhosamente até hoje de um regimento disciplinar da época da ditadura para punir o movimento estudantil. Nesse regimento os direitos de greve, de colar cartazes e de se manifestar são considerados ataques aos “bons costumes”, “boa moral” e “boa ordem”. Não podemos aceitar que esse regimento ganhe vida dessa vez pela absurda ação realizada pela PM nessa noite dentro do campus. A liberdade do debate crítico na universidade está ameaçada com este tipo de intervenção intimidatória a assembleias, e enquadramento de estudantes no campus. Exigimos imediato posicionamento de retaliação a invasão da PM por todos órgãos da burocracia universitária. Pedimos solidariedade a entidades e moções de repúdio à repressão na Unesp, não podemos deixar que este tipo de ação se alastre pelas universidades do país! A repressão não vai passar!




Tópicos relacionados

Educação   /    Universidade   /    Movimento Estudantil   /    Marília   /    Juventude

Comentários

Comentar