Internacional

COLETES AMARELOS

Os Coletes Amarelos se mobilizaram apesar do grande dispositivo repressivo de Macron

Frente a uma impressionante operação policial que incluiu prisões preventivas sem causa e a repressão posterior, os Coletes Amarelos voltaram a se mobilizar em Paris e outras grandes cidades.

domingo 21 de abril| Edição do dia

Na vigésima terceira semana de protestos, a mobilização dos Coletes Amarelos novamente sofreu repressão como resultado de um forte aparato policial implantado pelas autoridades francesas.

O executivo francês continua a aplicar a nova doutrina de segurança, em particular as detenções preventivas que a polícia usa para limitar o protesto pela via da intimidação.

Nem o possível anúncio de medidas do governo, nem o apelo à "unidade nacional" politicamente usando o fogo da Catedral de Notre Dame, nem o início do feriado da Páscoa, interromperam a nova manifestação. Nada impediu que os Coletes Amarelos retomassem neste sábado as ruas de Paris e outras grandes cidades da França, em protesto contra o presidente Emmanuel Macron e suas políticas econômicas e sociais.

Uma imensa mobilização policial de manhã cedo fez registros quase sistemáticos de qualquer um que se aproximasse de lugares sensíveis na capital francesa. Mais de 10.000 pessoas foram revistadas e interpeladas, quase 200 presos e a maioria deles levada em custódia, o que é permitido pela nova política repressiva adotada pelo atual governo, limitando o direito democrático de protestar.

O final da manifestação em Paris foi fixado na praça central da República. Os Coletes Amarelos que mostravam consignas contra Macron e convocavam a revolta foram reprimidos pela polícia com gás lacrimogêneo e balas de borracha causando tumultos e confrontos, como tem acontecido por várias semanas especialmente com a decisão do governo francês de usar o exército para acabar com os protestos.

Em suas demandas, os manifestantes incorporaram a crítica das grandes fortunas do país que se comprometeram em doações de milhões de dólares para restaurar Notre Dame, mas não têm a mesma generosidade com os problemas sociais.

"Obrigado por lembrar de Notre Dame, mas não se esqueça de Les Misérables", lia-se em um banner que lembrou duas das obras mais famosas de Victor Hugo.

Como em Paris, manifestações também foram registradas em várias cidades do país. Em Lyon e Toulouse, as imagens de repressão e violência policial contra manifestantes e jornalistas foram repetidas.

De acordo com seus dados, quase 30 mil pessoas se manifestaram em todo o país, a maioria delas na capital, que é muito semelhante aos últimos protestos.

Macron planeja anunciar na próxima quinta-feira as medidas tomadas para responder às demandas dos Coletes Amarelos. As manifestações alcançaram um primeiro triunfo quando eles conseguiram cancelar o aumento do combustível decretado pelo governo e desencadearam os protestos.

Depois dessas primeiras concessões dadas pelo governo, frente a um movimento de protesto que manteve e até aprofundou suas demandas, Macron optou pela repressão e intimidação para desgastar e acabar com as manifestações.




Tópicos relacionados

coletes amarelos   /    Emmanuel Macron   /    França   /    Internacional

Comentários

Comentar