Internacional

IRÃ

Onda histórica de greves de trabalhadores no Irã

O país está passando por uma crise econômica aguda, ancorada nas sanções dos EUA, que continuaram afogando os trabalhadores persas enquanto eram devastados pelo coronavírus. A onda histórica de greves ocorre diante dessa situação, abrindo um ciclo de irrupção da classe trabalhadora na luta de classes.

sexta-feira 7 de agosto| Edição do dia

Desde 1º de agosto, trabalhadores em pelo menos 16 centros industriais iranianos entraram em greve, levantando várias demandas diante da crise econômica que está afogando a população. Entre eles, o pagamento imediato dos salários devidos, a derrubada das leis anti-sindicais do regime clerical e melhores condições de trabalho em uma região que está passando por uma grande seca com temperaturas de até 50 graus. Ocorreram greves em diferentes complexos petroquímicos e refinarias, centralmente no sul do país persa, mas também em outros setores, como metal-mecânico e mineração.

Ver também: Diante da pandemia, suspendam as sanções sobre o irã já!

É a maior ação coordenada em 40 anos desde a Revolução Iraniana, da qual participou um amplo movimento sindical organizado, culminando no triunfo do atual regime teocrático. As greves começaram na região sul no sábado, 1º de agosto, em Khuzestán, onde estão os campos de gás mais importantes do país, e depois se espalharam para as refinarias centrais do país em poucos dias. Nesse sentido, os trabalhadores de Isfahan começaram a greve em 4 de agosto, em uma medida sem precedentes que atinge pelo menos 10000 trabalhadores no setor de petróleo, incluindo campos de extração, petroquímicos e refinarias.

Trabalhadores de diferentes empresas estão realizando a greve desde 1º de agosto, como as da Refinaria de Petróleo de Abadan, Refinaria de Parsiana em Kangan, Petroquímica de Lamerd, Refinaria de Óleo Pesado de Qeshm, IG e Jam 2 em Asaluyeh, Atropart Company na refinaria de Joffair (sul de Ahvaz), empresa Exir na fase 13 de Asaluyeh, a Pars Phenol Petroquímica de Asaluyeh, Sina Sanat-e Ahmadpour de Asaluyeh, refinaria de Asaluyeh Petropalayesh, refinaria de Razi de Mahshahr e Tous Dashte Azadeghan atacaram a Asphalt Company. As greves nos campos de South Pars estão atingindo um projeto privilegiado no Irã, que se aposta para enfrentar o câmbio para combater a hiperinflação que atinge pelo menos 40% em um país cuja economia é pouco diversificada.

Entre os manifestantes, encontraremos construtores, eletricistas, soldadores e trabalhadores comércios diferentes que trabalham sob contrato no maior campo de gás natural do mundo. Esses trabalhadores completam ciclos de trabalho de 20 dias por dez dias de folga e permanecem em residências próximas ao local de trabalho durante os dias de atividade. O objetivo da greve é ​​paralisar o trabalho durante um ciclo completo de turnos de 20 dias, o que teria um grande impacto na gigante produção do petróleo.

A gota d’água, levando milhares de trabalhadores à greve, foi a morte de Ebrahim Arabzadeh, um trabalhador contratado no complexo petroquímico de Mahshahr, devido a condições sufocantes causadas pelo calor infernal de 50 graus. Essas são algumas das condições excruciantes de trabalho e de vida nas quais os petroleiros iranianos são forçados a enfrentar, incluindo um ambiente em que os direitos sindicais não existem devido à perseguição do Corpo de Guardas Revolucionário da República do Irã (IRGC) que aprisiona líderes sempre que eles surgem. Da mesma forma, os salários são devidos em um contexto de aumento da inflação que chega a 40%, devido a sanções econômicas internacionais impostas pelo imperialismo americano, enquanto o país está passando por uma profunda crise devido à covid-19.

O impacto da política dos EUA, que reduziu a produção de petróleo em 80%, reflete-se diretamente nos trabalhadores e no povo pobre iraniano que protestam contra as condições econômicas, apesar da falta de direção sindical ou política.

A situação da classe trabalhadora no Irã é brutal, com 70% dos trabalhadores da indústria de petróleo trabalhando por contratos temporários. Nas "zonas econômicas especiais" ou "zonas francas", os trabalhadores estão isentos da legislação trabalhista, de forma que há uma ditadura dos patrões. Os estabelecimentos não possuem sistemas de refrigeração adequados para as altas temperaturas dos ambientes no verão. E, é claro, a sindicalização independente dos trabalhadores é proibida, enquanto os sindicatos são outro órgão do Estado. Além disso, se eles não tem seguro de saúde, são obrigados a assinar contratos de trabalho indesejados, sem cobertura de aposentadoria, podendo ser demitidos no momento que o empregador desejar. Seus salários estão abaixo da linha da pobreza, enquanto muitos não recebem seus salários há meses em um quadro de aumento do desemprego, que, segundo dados oficiais, atinge 27% entre os jovens, enquanto eles esperam a crise da covida-19 deixe 4 milhões de pessoas na rua.

Trabalhadores no parque industrial de açúcar Haft Tappeh estão em greve há 53 dias. Isso apesar do fato de os dirigentes sindicais estarem presos por organizar greves durante 2019, um deles prestes a ser executado pela pena de morte. As demandas são semelhantes, incluindo pagamento de salários devidos, reintegração de trabalhadores demitidos, expulsão de funcionários corruptos, reembolso de dinheiro em rotas de peculato e até processos históricos contra a privatização.

A greve dos trabalhadores de petróleo e gás provocou solidariedade de sindicatos, estudantes, professores, aposentados e ativistas dos direitos das mulheres. O Sindicato dos Trabalhadores e Motoristas de Vahed e a Greve dos Trabalhadores em Cana-de-açúcar de Haft Tappeh apoiaram os trabalhadores do petróleo, e 12 sindicatos e associações de aposentados, estudantes e ativistas dos direitos da criança emitiram uma declaração conjunta expressando solidariedade aos trabalhadores do petróleo. O grupo de mulheres Arzem (Libertação das Mulheres) também defendeu a greve dos trabalhadores em uma declaração como parte do movimento de mulheres, condenando qualquer ataque a elas. Também uniu-se o sindicato dos mecânicos e metalúrgicos que anunciaram que a greve se estendeu até 22 centros industriais até agora e que 4.000 trabalhadores neste ramo estão participando da greve. Os trabalhadores da HEPCO (Heavy Equipment Production Company), uma grande fábrica de máquinas pesadas que luta contra as condições impostas pela privatização em 2017, também iniciaram uma nova rodada de greves e protestos.

Os petroleiros iranianos mantêm uma posição de força estratégica no país. A República Islâmica é profundamente dependente da produção de petróleo e gás, por esse motivo é que as sanções dos EUA estão causando tanto impacto em um dos países com as maiores reservas de hidrocarbonetos do mundo. As relações com os Estados Unidos estão cada vez mais tensas desde a retirada de Trump do Acordo que limitaria o Programa Nuclear Iraniano, que alcançou o momento mais perigoso em janeiro de 2020 com o assassinato de Soleimani. Por essa razão, o Irã foi jogado nos braços da China, em tempos de crescentes tensões geopolíticas.

Os setores de trabalhadores que protagonizam essas greves, os motoristas de ônibus de Teerã, os petroleiros do Khuzistão e as usinas de açúcar Haft Tuppeh, têm uma longa tradição de luta. Por enquanto, o regime iraniano não emitiu nenhuma declaração contra as greves, mas sua reação sempre foi uma repressão feroz - envolvendo tortura, sequestro e assassinato de trabalhadores - combinada com concessões econômicas para acalmar as águas. No entanto, desta vez a margem para concessões é muito limitada. Há uma chance de as greves alcançarem as reformas pretendidas, o que pode gerar relativo sucesso para o movimento operário. Ou, pelo contrário, que nada seja alcançado.

Qualquer que seja a alternativa, o atual movimento de greve pode ser a base para futuros protestos dos trabalhadores no Irã. Em novembro de 2019, o governo foi severamente questionado por mobilizações nos principais centros urbanos de dezenas de milhares de pessoas devido ao aumento de combustível e custo de vida, onde pelo menos 7.000 pessoas foram presas e centenas foram mortas na repressão, e em maio 2020 devido à escassez de água em várias regiões atingidas pela covid-19. A partir de 2017, as greves trabalhistas se posicionaram como um fator-chave em oposição ao governo, que, à medida que a pressão dos Estados Unidos aumenta, polariza mais a sociedade civil, como mostra a recente vitória da ala ultraconservadora (ou intransigente) do regime.

Para resolver esses problemas estruturais, será imperativo que o movimento operário, que começa a aquecer seus músculos, promova mobilizações não apenas contra as condições de vida impostas pelo regime iraniano, mas principalmente contra o asfixiamento das sanções imperialistas. Em princípio, como disse um grevista do açúcar, "um trabalhador faminto, mesmo que açoitado, retornará às ruas".




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Imperialismo   /    Irã   /    Queda do Petróleo   /    Internacional

Comentários

Comentar