Cultura

POESIA

Nosso caos diário

sábado 4 de março| Edição do dia

A cada som da catraca
Uma injustiça se constata
Mais um trabalhador pobre
Enchendo o bolso da burguesia farta

Quando o trabalhador chega no ponto
Pouco consegue pensar
Além do horário da condução e de um assento vago para sentar
Visto que está exausto, pois também é um explorado mal pago...
Pensa também no acento do salário
Que o empresário se negou de pagar!

Precisamos expor à classe trabalhadora
Que não existe mudança se a escolha
Não for a de lutar
Ombro a ombro
Proletário e proletário
Pela estatização do transporte público
Sob o comando dos rodoviários
E não só,
Pela alternativa socialista para por um fim
Nesse caos diário.

O transporte público, atualmente, é cruel
Não, não é o mel que a mídia burguesa mostra nos seus jornais
São poucos lugares para gente de mais
Viver enlatado
No Navio Negreiro feito de metais...
E com medo vive ‘o calado’
Sem perceber
Que todos os dias nós somos crucificados.

Mas enquanto houver o grande lucro dos empresários
Haverá a luta dos revolucionários
Faça frio, chuva, calor e trovão
Tenha choque, chumbo, bomba e camburão
A gente não vai arredar o pé do chão

Porque o que salvará o povo desse caos diário
É o socialismo, é a Revolução

TODO APOIO À LUTA DOS RODOVIÁRIOS!




Tópicos relacionados

Porto Alegre   /    Poesia   /    Cultura

Comentários

Comentar