Internacional

6A ARGENTINA

Nicolás del Caño na Bahia Branca : “A greve será histórica apesar da CGT"

O ex candidato a presidência e atual pré-candidato a Deputado Nacional pela Província de Buenos Aires, Nicolás del Caño, visitou a cidade de Bahia Branca. Gerando grande repercussão nas mídias locais e importantes demonstração de apoio as propostas da Frente de Esquerda dos Trabalhadores.

quinta-feira 6 de abril de 2017| Edição do dia

Nesta terça feira (4), o ex candidato a presidência da Frente de Esquerda, Nicolás del Caño, visitou a cidade ao sul da Província de Buenos Aires e concedeu entrevistas a uma grande quantidade de meios de comunicação da região, tanto rádio quanto canais de televisão.

Pela manhã, junto com uma figura de referência da localidade, Daniela Rodríguez, o pré-candidato a deputado nacional pela província de Buenos Aires também ofereceu uma conferência de imprensa com centralidade sobre o PTS na Frente de Esquerda, onde estavam presentes vários canais de televisão interessados em conhecer as reflexões e propostas que Del Caño novamente levava a Bahia Branca.

Já na tarde, Del Caño, foi até a Assembléia da SUTEBA local, onde saudou as professoras e professores em luta, levando solidariedade de classe. Com várias pessoas em sua volta, declarou “a dez anos do assassinato de Carlos Fuentealba, viemos apoiar os docentes que lutam por algo justíssimo e essencial, como o salário, e dizer que por conta dessas bravas lutas, Carlos segue presente em cada um de nós."

No final da tarde, Del Caño também levou sua saudação e realizou uma debate na escadaria do Departamento de Humanidade da Universidade Nacional do Sul, onde estavam presentes duzentos jovens e trabalhadores da educação sobre os desafios futuros.

Como pronunciou Del Caño, “neste último mês, massivas mobilizações, tem-se manifestado o descontentamento de amplos setores com o governo nacional, que sem dar nenhuma resposta às reclamações da população, agora tenta amedrontar os trabalhadores para que desistam desta medida", disse e afirmou que” a greve será histórica apesar da direção da CGT, que tem sido um dos principais pilares de Maurício Macri até o momento. Junto ao sindicalismo combativo vamos participar com diversas ações para aqueles que se vêem impedidos de lutar por conta de contratos vulneráveis, trabalhos precarizados e sem direitos sindicais, possam colocar-se em luta, e também para que se escute a reclamação que há meses vem se expressando, sem nenhuma resposta. Seguiremos exigindo um verdadeiro plano de lutas para barrar os desempregos."

A Frente de Esquerda diante das eleições legislativas

Diante da pergunta de vários jornalistas sobre as eleições legislativas que ocorrerá neste ano, o pré-candidato a deputado nacional defendeu “queremos que ao Congresso Nacional cheguem mais deputadas e deputados da Frente de Esquerda, porque também temos o enorme desafio de se fazer ouvir este enorme mal estar o parlamento, assim como utilizar de nossas bancadas para continuar colocando-as a serviço de acompanhar e fortalecer a luta dos trabalhadores." Á respeito disso afirmou que “A mudança conta com minoria em ambas as câmaras, e se as distintas leis contra os povo trabalhador pôde ser aprovada pelo Parlamento, foi graças aos votos garantidos tanto pelo Kirchnerismo como pelo resto do PJ, de Bossio e da Frente Renovadora”, ele destacou que “os mesmo que agora, em ano eleitoral, falam contra o governo dos CEO’s, apoiaram com seus votos as medidas de ajustes, tarifaços, o evidencia a necessidade de colocar de pé uma alternativa política independente da classe trabalhadora, uma ferramenta própria, com a quequeremos colocar de pé a partir do PTS na Frente de Esquerda”, a qual chamou todos a somar-se ativamente.

Del Caño também fez referência a sua proposta para acabar com o desemprego, que “consiste em reduzir a jornada de trabalho para 6 horas, 5 dias por semana, com salário equivalente ao sustento familiar, medida que busca redistribuir as horas de trabalho entre todos os trabalhadores, atacando a ganância capitalista”.

Ele manifestou que “primeiro precisamos pensar nos trabalhadores, pois a vida vale mais que a ganância” e afirmou que “essa proposta permitiria a muitas pessoas que não conseguem trabalho ou vivem de bicos, alcançar um trabalho digno com um salário que dê conta das necessidades”. Assim, denunciou como “os avanços tecnológicos, frutos do trabalho coletivo, são utilizados pelos capitalistas para aumentar sua margem de lucro condenando milhões de trabalhadores ao desemprego e a outros muitos jornadas exaustivas de trabalho. Pelo contrário, a partir da Frente de Esquerda, se exige que esses avanços devem estar a serviço de melhorar as condições de vida da maioria da população”.

Por último, durante a atividade que organizou na UNS a agrupação Teses XI, que impulsiona a Juventude do PTS na Frente de Esquerda, e diante de um atento auditório que interviu com inquietudes e perguntas, Del Caño fez um chamado aos trabalhadores, as mulheres e a juventude a se organizar junto ao PTS e à Frente de Esquerda para levantar uma forte alternativa operaria e socialista, capaz de enfrentar os planos do macrismo e o peronismo: “Temos que superar essa falsa polarização. A Frente de Esquerda é uma grande ferramenta para alcançar isso. Para isso, nos propomos não apenas a conquistar mais deputados no Congresso Nacional, mas também dar a batalha em todos os locais de trabalho e estudo para recuperar as organizações operarias e da juventude, para que estejam a serviço de vencer o ajuste que nos querem impor e para avançar no grande desafio, de fundo, que temos levantado, queremos acabar com este sistema que só nos oferece mais exploração e miséria”.




Tópicos relacionados

6A PARALISAÇÃO GERAL ARGENTINA   /    PTS   /    Nicolás del Caño    /    Argentina   /    PTS na FIT   /    Internacional

Comentários

Comentar