Política

MINISTÉRIO TEMER

Ministro do Trabalho de Temer defende terceirização na atividade-fim

O novo ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira afirmou nessa última quinta, 12, que é favorável a uma regulamentação da terceirização que permita também a terceirização da atividade-fim das empresas, desde que haja garantias para os trabalhadores. Infelizmente, Nogueira não afirma que garantias seriam essas que reverteriam o que é hoje a terceirização para classe trabalhadora brasileira: Precarização das condições de trabalho e do rebaixamento dos salários, batendo recordes de acidentes de trabalho e doenças laborais.

sábado 14 de maio de 2016| Edição do dia

Nogueira disse também que vai conversar com o presidente interino Michel Temer sobre a reforma trabalhista para negociar as medidas de modernização da legislação trabalhista através de uma reforma da CLT. Embora também não diga quais seriam essas medidas modernizantes, podemos ter certeza que se trata da retirada dos poucos direitos garantidos na CLT através da autorização de negociação direta do empregador com o empregado, como era a proposta de Acordo Coletivo Especial (ACE) que foi defendida no passado pela CUT e por outras centrais sindicais governistas.

Assim, Nogueira já deixa claro qual será o tratamento que o governo golpista de temer dará aos trabalhadores, colocando como principal missão atacar ao máximo a classe trabalhadora para aumentar ainda mais os lucros dos banqueiros e grandes empresários, que continuam batendo recordes de lucro. A esses ataques, Ronaldo Nogueira dá o nome de “harmonização entre o trabalho e o capital” e ainda afirma cinicamente que “não podemos dividir classes. Precisamos unir as classes”.

As declarações de Nogueira vem juntar-se a de outros ministros, como a do Ministro dos Transportes Maurício Quintanella, que afirmou claramente que "privatizar e conceder o máximo possível é a palavra de ordem do governo na aérea de infraestrutura” e já mostra, em menos de dois dias de governo Temer, que a linha política desse governo ilegítimo será a de ataque total aos trabalhadores e ao povo pobre, com ataques e cortes em todas as áreas essenciais, da saúde a previdência, da educação aos direitos trabalhistas.

É necessário urgentemente que a CUT e as demais centrais governistas parem com sua defesa acrítica dos governos petistas e convoque greves e paralisações nas suas bases para barrar esse governo reacionário de Temer, que tem como único objetivo ser o açougueiro da burguesia e implementar o máximo de ataques no menor tempo possível.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Direitos Trabalhistas   /    Terceirização   /    Política

Comentários

Comentar