Sociedade

DEMARCAÇÃO DE TERRAS INDÍGENAS

Ministério da Justiça retira 512 hectares de terras indígenas já demarcadas no Pico do Jaraguá

O argumento é de que não houve parceria com o Governo Estadual, ou seja, com Alckmin sobre a demarcação das terras em 2015.

segunda-feira 21 de agosto| Edição do dia

O Ministério da Justiça revogou decisão de 2015 que dava aos índios 532 hectares de terra. Os índios já tinham planos de usar suas terras para diversas tipos de plantio de milho, mandioca, batata doce e até amendoim. Além, é claro, de planejarem reflorestar as terras. Antes da decisão de 2015, os índios viviam em espécies de cabanas de madeira em formato retangular, barracos diferentes e um pouco mais resistentes.


Em reportagem do SPTV de 2015 é possível ver o absurdo da miséria da vida dos índios. Um deles diz ao repórter que em sua casa moram 8 pessoas e que com o artesanato recebe R$ 400,00 por mês. Ou seja, um verdadeiro absurdo. Esses Guaranis, após terem sido dizimados e estão resistindo com uma população de 700 pessoas, segundo reportagem do G1.

É bom deixar registrado que o ministro da justiça chama-se Torquarto Jardim e tomou posse em maio deste ano.

É um absurdo que depois de serem dizimados e ainda resistirem vivendo de forma extremamente precária, e, após terem conseguido uma quantidade ínfima de terra, o cacique do governo estadual, Alckmin, possa ser contemplado em decisão do novo Ministro da Justiça. O que será que ele quer fazer com essa área?

Os índios devem ter direito a autodemarcação das terras, que é o direito de dizerem quanto de terra são suas, de quanto eram seus antepassados. Para poderem aumentar sua população e se assim o desejarem, para reaverem suas tradições e costumes. É um absurdo o retrocesso do governo golpista de Temer. Não podemos permitir que os Guarani percam o direito as suas terras!




Tópicos relacionados

resistência indígena   /    Indígenas   /    Sociedade   /    Povos indígenas

Comentários

Comentar