Gênero e sexualidade

METROVIÁRIOS CONTRA HOMOFOBIA

Metroviários da estação Sé homenageiam Luis Carlos Ruas na luta em defesa dos LGBTs

Daphnae Helena

Cipista da Linha 3 - Vermelha do Metrô de SP e trabalhadora da estação Sé

quinta-feira 29 de dezembro de 2016| Edição do dia

Os metroviários de SP, da estação Sé (Linha 3 - Vermelha), prestaram homenagem no dia de hoje ao trabalhador Luis Carlos Ruas (conhecido como Índio), morto à pancadas por dois homens por defender uma travesti de uma briga, na noite de Natal, na estação Pedro II do Metrô. Os metroviários da estação Sé tiraram fotos com os dizeres: "Índio, você é um exemplo! Tamo junto contra a violência aos LGBTs! + contratação já!".

A culpa é de Alckmin e sua política de privatização do Metrô de SP, por isso exigimos a imediata contratação de mais funcionários, pois situações como estas poderiam ser evitadas se houvessem funcionários. Operamos diariamente com a falta de 600 trabalhadores para garantir todo o serviço que tem milhões de usuários todos os dias, cada dia mais superlotado, sendo o cargo de agente de segurança um dos que mais têm déficit, colocando em risco a vida de usuários e trabalhadores do sistema metropolitano.

Mas não é só Alckmin, tem responsabilidade também políticos como Malafaia, Bolsonaro, entre outros, que com seu discurso de intolerância propagam cotidianamente o ódio contra os LGBTs. Isso se reflete em ações bárbaras como essa que vimos no dia de Natal.

A mídia mentirosa culpa os metroviários, mas nós dizemos que a culpa é de Alckmin e sua política de privatização. Como também expressou a coluna de Felipe Guarnieri que levou a nota do Sindicato dos Metroviários a mais de 10 mil pessoas e 2 mil compartilhamentos.

A solidariedade de Luiz Carlos Ruas e sua atitude de se revoltar frente a violência é um exemplo. Por isso, nós o homenageamos.




Tópicos relacionados

Homofobia e Transfobia   /    Metrô   /    São Paulo (capital)   /    Gênero e sexualidade   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar