Gênero e sexualidade

GOVERNO TRUMP

Medida reacionária de Trump dificulta o acesso à contraceptivos

Uma recente medida tomada pela administração de Trump restringe o acesso a contraceptivos através do Obamacare. Tal fato gerou indignação de mulheres, especialistas no assunto e organizações políticas.

quinta-feira 12 de outubro| Edição do dia

A medida tomada pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dá maior poder às empresas de seguros e empregadores para que possam negar a cobertura a métodos contraceptivos baseado em objeções morais ou religiosas.

Tal medida já havia sido anunciado por Donald Trump em sua campanha. Em pesquisas realizadas, dois em cada três americanos exigiam que os planos de saúde oferecessem cobertura a métodos contraceptivos sem custo adicional.

Os números indicam que 99% das mulheres sexualmente ativas usam pelo menos um tipo de contraceptivo em algum momento da vida.

Sem um plano de saúde que cubra os métodos contraceptivos, um dispositivo intra uterino (DIU) custa cerca de US$ 900,00 (algo em torno de R$ 2.800,00), e a pílula custa entre US$ 240,00 e US$ 700,00 por ano (entre R$750,00 e R$2.200).

Essa medida reacionária pretente diminuir o controle que as mulheres tem sobre seus corpos e seu direito de decidir a respeito da maternidade.

Vários especialistas apontam que a utilização de contraceptivos é algo que vai mais além que a natalidade, já que o uso de métodos contraceptivos em 2008, por exemplo, evitou cerca de 44% de mortes maternas no mundo, devido a redução de nascimentos de alto risco e gravidez não desejadas que levam a abortos pouco seguros.

Outro estudo, de 2012, demonstrou que com acesso gratuito a contraceptivos, as taxas de aborto reduziram em 78% e em 68% o número de gravidez não desejada.

A partir de 2012, quando passou-se a exigir que os planos de saúde incluíssem os contraceptivos, as taxas de gravidez não desejada são as mais baixas desde 1981. Também os abortos são menores. Porém, com esta nova medida, a situação ode mudar.

Isso já gerou descontentamento entre ativistas, que prometem protestos nos próximos dias.

Essa é outra medida que expressa o caráter reacionário e direitista do governo norte-americano, que segue atacando os direitos das mulheres, como o controle dos seus corpos para a reprodução.

Publicado originalmente em http://www.laizquierdadiario.com




Tópicos relacionados

Donald Trump   /    Mulher   /    Gênero e sexualidade   /    Internacional

Comentários

Comentar