Internacional

ARGÉLIA

Manifestações maciças na Argélia apesar das prisões e do Ramadã

Os argelinos saem às ruas pela 12ª sexta-feira, a primeira desde o começo do mês do jejum. O chefe do exército é o principal alvo dos protestos.

sábado 11 de maio| Edição do dia

Milhares de argelinos transbordaram as ruas do país pela décima segunda sexta-feira, o primeiro dia do mês de jejum ou do Ramadã, mostrando que o movimento de protesto popular permanece firme e determinado a continuar até a queda total do regime.

O início do tradicional mês de jejum no mundo árabe, o Ramadã, gerou o mistério sobre a continuidade e a solidez das manifestações. Mas como as onze sextas-feiras anteriores, as ruas da capital, Argel, e a maioria das grandes cidades do país foram novamente preenchidas com uma afirmação clara: não às eleições e não ao atual processo de transição que defende e protege as eleições. polêmico chefe do exército, Ahmed Gaïd Salah.

O general Salah, que se tornou o homem forte do país após a queda do presidente Abelaziz Bouteflika como resultado dos protestos, retornou ao centro das reclamações.

Os manifestantes deixaram claro que eles sabem que os militares fazem parte do regime que buscam derrubar e vêem a campanha "anti-corrupção" que os mesmos tem impulsionado como uma manobra para tentar se dissociar do passado.

A campanha "mãos limpas" promovida pelo chefe do Exército levou Said Bouteflika, o irmão do presidente renunciado, a que se considerava o poder que moveu os fios da presidência na sombra, para a cadeia nesta semana. O mesmo destino tiveram Athmane Tartag e Mohamad Mediane "Tawfik", que há anos estiveram a frente dos influentes e temidos dos serviços de inteligência da Argélia, e o caso deste último ainda foi considerado o sucessor de Bouteflika.

Para os manifestantes, as medidas tomadas visam encobrir a continuidade dos pilares fundamentais do regime, através de uma transição e novas eleições. "Tudo isso é uma pantomima, uma engano para que voltemos novamente casa e se contentemos. Mas as pessoas vão ficar aqui na rua até alcançar nossas demandas, que são legítimas", disse à EFE, Jalid AB, um funcionário público que foi para a Praça da Grande Post, no centro de Argel.

Os protestos começaram em 22 de fevereiro com uma primeira marcha em massa em Argel contra a decisão Bouteflika, de 82 anos, de concorrer à reeleição para um quinto mandato, apesar de sua condição de saúde grave.

Os manifestantes se recusam a aceitar eleições antecipadas, organizado pelas estruturas e personalidades do regime deixado por Bouteflika, apontando especialmente contra o presidente do Senado e chefe de Estado interino, Abdelkader Bensalah, e o ex-chefe do Interior e atual primeiro-ministro, Nouredin Bedaui, que, juntamente com o chefe das Forças Armadas, Gaid Salah, permaneceram leais ao ex-presidente até sua renúncia depois de vinte anos à frente da Argélia.

Os protestos exigem a saída imediata de todos os membros do regime estabelecido por Bouteflika, quando ele assumiu o cargo em 1999. Algo que a classe dirigente argelina não está disposta a aceitar, como ele começa a usar a repressão como uma forma de impor a ordem.

A campanha "anticorrupção" promovida por Salah serve como um expurgo dentro do antigo regime. Mas também é a cobertura para prisões contra organizações ligadas ao protesto. A Liga Argelina para a Defesa dos Direitos Humanos assegura que procuram "silenciar todas as vozes discordantes" que se opõem ao processo de transição desejado por Salah.

O regime argelino procura usar as lições que foi deixadas às classes dominantes na Primavera Árabe de 2011 e pretende, como no Egito, que o Exército desempenhe um papel central na transição e, se necessário, no governo. Algo que as mobilizações atuais colocam em cheque, quando pedem a queda de todo o regime, e nada indica que possa fazê-lo sem grandes contradições.




Tópicos relacionados

Argélia   /    Internacional

Comentários

Comentar