Sociedade

DESVIO DE ROYALTIES DE MINÉRIO

Malafaia e a "teologia da prosperidade" da corrupção

sexta-feira 16 de dezembro de 2016| Edição do dia

Silas Malafaia ficou indignado com a condução coercitiva que recebeu hoje (16) pela manhã em sua casa em São Paulo. Quando Lula recebeu tratamento semelhante, mas com os holofotes da Globo sentenciando-o antes do julgamento, o pastor da Assembleia de Deus saudou a justiça e defendeu a ação de Sergio Moro. Veja só a “pequena” diferença:

É aquela velha expressão, “pimenta nos olhos do outro é refresco”. Mas vindo do “profeta” da teologia da prosperidade, um dos arautos das “máfias da fé” que lucram horrores em cima dos cristãos, não é de se duvidar que o crime que lhe imputam - ajudar a desviar de royalties de minério - seja mentira.

Silas Malafaia já foi acusado de muitas coisas no passado, não é sua primeira passagem pela justiça. Em 2013, deputados do PSOL e do PT encaminharam uma ação criminal contra o pastor acusando-o de calúnia, difamação, formação de quadrilha. Marco Feliciano também entrou na quadrilha acusada.

Em 2015 Silas Malafaia virou réu por homofobia por conta de declarações feitas na TV em 2011. À época, o pastor incitou a violência à comunidade LGBT ao pedir para “entrar de pau” e “descer o porrete em cima pra esses caras aprenderem”, em referência aos participantes da Parada Gay.

Malafaia também é reconhecido internacionalmente por sua fortuna milionária. A “teologia da prosperidade”, fundamentos ideológicos que sustentam suas ações de arrecadar dízimos de milhões de fiéis Brasil afora em troca de palavras e esperança, vem dando certo para ele. Em 2013, a revista Forbes fez um levantamento com base aos dados do MP e da Polícia Federal sobre as famigeradas “fortunas da fé”. O pastor da Assembleia de Deus alcançava o terceiro lugar, atrás apenas de Edir Macedo e Valdemiro Santiago. O número que chegaram foi de R$ 300 milhões, pelo menos os que conseguiram encontrar…

Mas Malafaia não tem problemas em esconder sua riqueza. Ele ostenta seus anéis, carros importados, aviões (sim, aviões…), relógios de ouro, tudo isso e muito mais em suas pregações. Isso, para ele, é sinal de que está mais perto do céu. A única coisa que ele não explica é de onde vem tanto dinheiro… Não apenas é ampliada pelas isenções fiscais concedidas pelos governos, como vem diretamente do bolso do trabalhador. Agora suspeita-se que venha também de desvios milionários de dinheiro público. É aquela velha história, pequenas Igrejas, grandes negócios. No caso de Malafaia é Grandes Igrejas, Grandes Negócios e ótimas relações com o poder público e outros empresários. Pelo menos é o que aponta a operação Timóteo deflagrada pela Polícia Federal nesta sexta-feira (16).

Dessa vez o crime malafético que investigam não tem nada a ver com incitar a violência contra homossexuais, formação de quadrilha, defender que o aborto seja um crime mesmo em casos de estupro ou usurpar milhões em benefício próprio. Dessa vez o crime investigado é de desvio de royalties de minério, como apresentamos aqui no Esquerda Diário. Como também viemos denunciando no Esquerda Diário, nenhum combate de fato à corrupção vai ser feita por essa justiça. É a mesma que já o inocentou tantas outras vezes pelos crimes contra os LGBT’s. A mesma que é responsável direta pelas mortes de tantas mulheres causadas por abortos clandestinos.

Aqui a ironia do destino falou mais alto. De tanto acusar seus antigos aliados (há não tanto tempo atrás, o PT e Malafaia andavam de mãos dadas no cenário político nacional), eis que a justiça se volta contra si, pelo menos de maneira aparente. Veremos no que vai dar. Uma coisa é certa, a carapuça da pureza divina de Malafaia começa a cair pouco a pouco, desvelando algumas das verdadeiras fontes de riqueza do magnata.




Tópicos relacionados

Porto Alegre   /    Sociedade   /    Corrupção

Comentários

Comentar