Internacional

IRAQUE

Mais de vinte manifestantes mortos durante onda de protestos no Iraque

Os protestos que começaram na terça-feira foram violentamente reprimidos pela polícia, deixando pelo menos 20 mortos e mais de 1.000 feridos. A frustração dos jovens é protagonista dos protestos.

Juan Andrés Gallardo

Buenos Aires | @juanagallardo1

sexta-feira 4 de outubro| Edição do dia

Três dias de intensos protestos e brutal repressão estatal deixaram pelo menos 25 manifestantes mortos e 1.100 feridos. A onda de protestos é realizada centralmente por jovens que pedem emprego, serviços de qualidade e o fim da corrupção, entre outras demandas.

As manifestações que eclodiram na terça-feira nas principais cidades do centro e sul do país aumentaram seu nível de violência com confrontos entre manifestantes e forças repressivas, produto do cansaço devido às condições de miséria que são vividas no país.

Depois de anos de guerra, ocupação e pilhagem econômica dos EUA, e depois da guerra contra o Estado Islâmico, a situação no Iraque é terrível. A migração em massa e os adultos que morreram durante as guerras deixaram uma população esmagadoramente jovem. Hoje 60% da população iraquiana tem menos de 25 anos e 40% desses jovens estão desempregados. A maioria viveu a vida inteira sob ocupação e guerra, e a imagem que eles têm dos políticos é de uma casta de pessoas corruptas que negociaram os recursos naturais e econômicos do país com as potências imperialistas deixando o Iraque na miséria.

Os protestos foram especialmente violentos na província de Di Qar, no sul, onde pelo menos 10 pessoas morreram. Mas os confrontos se repetem nas principais cidades do sul e centro do país.

Com o passar dos dias, as demandas começaram a incluir a renúncia dos funcionários do governo pela repressão e também as demandas de "abaixo o governo" e "abaixo o regime" que ressoaram durante a primavera árabe e no mobilizações atuais na Argélia e no Sudão.

Diante desse cenário, o governo de Adel Abdel Mahdi, formado há apenas um ano, decretou o toque de recolher em Bagdá e nas províncias de Di Qar, Najaf (centro) e Maysan (sudeste). Além disso, cerca de 75% do país está desconectado da Internet, menos a região do Curdistão, de acordo com o NetBlocks, uma plataforma global que monitora a censura da rede. O governo pensava assim desencorajar mobilizações e evitar a comunicação entre manifestantes. No entanto, o resultado foi o inverso. Os protestos são maiores e mais violentos à medida que os dias passam.

As manifestações que começaram na terça-feira na capital foram convocadas por meio de redes sociais por usuários particulares e não por um partido ou movimento político das várias facções que dominam o cenário político iraquiano, embora os locais onde o protesto ocorra sejam principalmente População xiita.

Até agora, as mobilizações parecem ter um alto conteúdo de espontaneidade.
Somente na quarta-feira à noite, o clérigo xiita Muqtada al Sadr disse a seus seguidores que organizassem "sessões pacíficas", embora até quinta-feira houvesse uma confluência do movimento de protesto com os seguidores de Sadr.

Nos últimos meses, houve protestos contra a falta de serviços básicos, como eletricidade e água, e oportunidades de emprego para jovens, protagonistas das atuais mobilizações.

A raiva daqueles mais de 20 milhões de jovens é diretamente proporcional à situação de pilhagem a que o Iraque foi submetido nas últimas décadas. Os principais recursos do país foram deixados em mãos particulares e os lucros escaparam do país. Os números são irrefutáveis: embora o petróleo represente 65% do PIB e 90% da receita do governo, esse setor emprega apenas 1% da força de trabalho local. A maioria dos que conseguem um emprego o fazem na administração pública (60% dos que têm emprego), o desemprego é de 30% (40% entre os jovens) e pelo menos um terço da população é mergulhou na pobreza..




Tópicos relacionados

Retorno da luta de classes   /    Iraque   /    Internacional

Comentários

Comentar