Educação

MACHISMO NA UNIVERSIDADE

Mãe é expulsa de sala de aula da UFRN

Na terça-feira, uma mãe foi expulsa da sala de aula na UFRN, junto à sua filha.

quinta-feira 8 de março| Edição do dia

Nesta terça-feira (6), Waleska, aluna do primeiro período de graduação de Ciências Sociais, foi expulsa da aula de Introdução à Sociologia pelo Prof Alípio Souza Filho. Um acontecimento machista e elitista que desmascara o caráter da universidade.

Partimos de declarar o total apoio do Esquerda Diário à Waleska, o que ocorreu com a companheira foi uma violência. Estava acompanhada de sua filha na sala de aula, como tantas mães trabalhadoras que são obrigadas a levarem suas filhas para seu local de estudo após árduas horas de trabalho.

Como se não fosse suficiente a dificuldade de ingressar no ensino superior, pelo número ínfimo de vagas frente à multidão dos que querem ingressar, nesta disparidade é a juventude negra e trabalhadora que fica para fora, em especial as mulheres mães. Também é necessário permanecer na universidade, e tanto pelas ações do governo golpista federal, quanto pelas prioridades da Reitoria, fica evidente que manter estas na universidade não está, nem nunca esteve na ordem do dia.

Por isso é fundamental que o movimento de mulheres e estudantil se organize como já o começou a fazer para defender Waleska, mas também o direito de cada mãe, cada trabalhador e jovem entre e permaneça na universidade. E também que construa uma força que evidencie que este tipo de atitude machista e elitista não será tolerada pela força da luta das mulheres e estudantes, junto aos trabalhadores e professores.

Nota do Movimento:
NENHUMA MÃE A MENOS!

À Universidade Federal do Rio Grande do Norte

As e os estudantes da UFRN vem por meio desta nota repudiar a agressão do professor Alípio de Sousa Filho (DCS/UFRN) contra a estudante do curso de ciências sociais e mãe Waleska Lopes ao impedi-la de assistir aula acompanhada da sua filha de 5 anos. Não é a primeira vez que o professor constrange estudantes adotando uma postura opressora e autoritária dentro de sala de aula. Tal caso não é um fato isolado, mas é a reprodução do modelo de sociedade machista que nega às mulheres os espaços de conhecimento, bem como sua permanência enquanto mãe e trabalhadora.

Diante do contexto de democratização do ensino público superior nos últimos anos faz-se necessário que a instituição se adapte ao novo perfil de estudantes que ingressam nas universidades, garantindo a permanência das mães estudantes que precisam levar suas filha/os para a aula por não ter com quem deixar.

Reafirmamos que além de machista, Alípio sustenta um discurso onde o preconceito de classe prevalece ao afirmar que “só vai (pra universidade) quem tem condições” e enaltece seus títulos acadêmicos no exterior. Comprovando, assim, que apesar de seu currículo não tem nenhuma capacidade de estar em sala de aula e lidar com as diferentes realidades sociais.

Nesse sentido, reivindicamos:

°Afastamento do professor de suas atividades acadêmicas;

°Incluir na utilização dos recursos do PNAES a construção e manutenção de uma creche dentro do campus que funcione nos turnos matutino, vespertino e noturno para atender as estudantes que são mães em vulnerabilidade socioeconômica que apresentem a demanda.

Em plenária na noite de ontem (07/03), as e os estudantes do curso de Ciências Sociais deliberaram uma agenda para discutir a pauta na segunda-feira (12/03), sendo:

8h40: Assembléia Estudantil na pracinha dos CAs do setor 2.
18h45: Aula pública sobre gênero e opressões na pracinha dos CAs do setor 2.

#SomosTodasWaleska
#PeloDireitodeSerMãeEstudante

Assinam:

Diretório Central dos Estudantes José Silton Pinheiro - UFRN

Coletivo Acadêmico de Ciências Sociais - UFRN

Centro Acadêmico de Serviço Social - UFRN

Centro Acadêmico de Filosofia - UFRN

Centro Acadêmico Djalma Maranhão - GPP UFRN

Centro Acadêmico Amaro Cavalcante - Direito UFRN

Centro Acadêmico de Arquitetura e Urbanismo - UFRN

Centro Acadêmico Vera Rocha - Fisioterapia UFRN

Centro Acadêmico Margarete Pereira - Gestão Hospitalar UFRN

Centro Acadêmico de Fármacia Adolpho Ramires - Farmácia UFRN

Coletivo Paratodas

Levante Popular da Juventude

Articulação Nacional de Estudantes de Ciências Sociais - ANECS

Diretório Central dos Estudantes da UNIFACEX

Diretório Acadêmico Carlos Marighella - IFRN - CNAT

Amélias: Mulheres do Projeto Popular

Pão e Rosas




Tópicos relacionados

Natal   /    Machismo   /    Universidades Federais   /    Universidade   /    Educação   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar