Sociedade

MEC de Weintraub deixa legado de ataques aos surdos

Apesar da demagogia de Bolsonaro com relação a surdez, utilizando-a, cinicamente, no dia da sua posse e nas lives ridículas que faz, Bolsonaro cortou 10 milhões de reais dos surdos.

quinta-feira 2 de julho| Edição do dia

O INES, localizado no Rio de Janeiro, é uma das principais conquistas da comunidade surda em luta ao lado do Decreto 5.626/2005 e da Lei n. 10.436/2002 que reconhecem a Libras no ensino e aprendizagem dos surdos, ou seja, regulamentam o ensino bilíngue no país. O Instituto Nacional de Educação de Surdos é a principal difusora da educação de Libras no Brasil, país em que existem mais de 10 milhões de surdos.

Mesmo assim, o MEC não hesitou em cortar 10 milhões de reais – o corte ocorreu no meio desse ano, quando o país se aproximava do pico da pandemia com centenas de milhares de mortos – que ajudariam no combate aos efeitos pandemia da Covid-19 à comunidade surda. Não poderia existir absurdo maior! Apesar da hipocrisia do governo Bolsonaro em se mostrar como defensor da Libras, dos surdos e do bilinguismo, esse corte ataca em cheio um dos principais polos de resistência do povo surdo, mostrando toda a falácia de Bolsonaro e de seu, então, ministro Abraham Weintraub, agora ex-ministro.

Nós do Esquerda Diário repudiamos e esse ataque e nos solidarizamos com a luta dos surdos pelo ensino bilíngue em escola ou classe com professores e interpretes de Libras qualificados e bem remunerados.

Para saber mais sobre a luta dos Surdos assista os vídeos abaixo:

Entrevista com o prof. Ouvinte Fernando Capovilla:




Tópicos relacionados

COVID-19   /    Coronavírus   /    Jair Bolsonaro   /    Sociedade

Comentários

Comentar