Opinião

ESQUERDA GOLPISTA

MBL, Vem pra Rua e Transição Socialista (ex-NN) convocam atos pela prisão de Lula

Leticia Parks

São Paulo

quarta-feira 28 de março| Edição do dia

Que o MBL e o Vem pra Rua, grupos reconhecidamente de direita convoquem atos pela prisão de Lula, não é de se surpreender. Mas agora o grupo de “esquerda” Transição Socialista, ex- Movimento Negação da Negação, resolveu disputar as camadas verde-amarelo que até pouco tempo atrás acampavam em frente a Fiesp e cultuavam o Pato.

Pra refrescar a memória o MBL é aquele grupo de direita de Kim Kataguiri, Fernando Holiday e do dono da Riachuelo e agora candidato à presidência pelo PRB, Flávio Rocha. O Vem pra rua, não menos de direita, tinha até então como líder o empresário Rogério Chequer, atualmente do partido de direita NOVO e contava com apoios vindo do alto empresariado, como Colin Butterfield e Jorge Paulo Lemann, sócio da Ambev, entre outros. Ou seja, a TS está propondo disputar as bases desses grupos de direita.

A impressionante cegueira política que os acometeu é tão grande que os impede de enxergar o conteúdo dos atos chamados pelo MBL e Vem pra Rua. Na verdade, transformam a realidade segundo sua própria vontade. Basta dar uma olhada nas faixas carregadas nos atos de 2016 a favor do impeachment.

Ainda ontem, a caravanas do PT e de Lula em campanha foram alvejadas por grupos proto fascistas. Nessa cegueira enxergam os tiros contra a caravana de Lula expressão de milícias operárias?

A TS, ao supostamente dizer que leva uma luta independente do PT, não entendeu que (obviamente) deveria também ser uma luta independente da direita.

Os juízes, juizecos nas palavras da TS, parecem inofensivos. Os mesmos juízes que além de privilégios absurdos, concentram em suas mãos poder suficiente para, de acordo com a sua vontade, condenar quem queiram da forma como queiram. Juízes que arbitram de acordo com interesses próprios, mudam as peças do jogo político ao seu bel prazer. Alguém precisa avisar a TS que essa justiça arbitrária não é cega nem imparcial. Ao concentrar tanto poder, arbitram sobre greves, sobre direitos, e sobre a liberdade do povo. Vamos realmente “militar pela prisão de Lula” apoiados nos juízes (do “baixo escalão” nas palavras dos companheiros). O baixo-escalão, de caráter pequeno-burguês a que os companheiros se referem é esse: Sergio Moro. Podemos ver “as massas” nessa foto, pressionando Sérgio Moro a fazer justiça. Se formos cegos ou delirantes.

Por fim, a impaciência de construir uma alternativa ao PT apoiado nos trabalhadores e seus métodos fazem dessa esquerda linha auxiliar do MBL. Será que os empresários que atenderem o chamado da direita e liberarem seus funcionários para os atos pela prisão de Lula são realmente pontos de apoio para os trabalhadores? Vão apoiar a nossa greve e estar ao nosso lado também contra o capitalismo? Tem algo de estranho, não acham?




Tópicos relacionados

Sérgio Moro   /    Lula   /    Debates na esquerda   /    Esquerda   /    Opinião

Comentários

Comentar